segunda-feira, 20 de maio de 2013

Cobertura

Por vezes é conveniente sintetizar algumas ideias, revendo o panorama geral a partir das várias análises parcelares. Já fiz isso nalguns textos, mas é talvez altura de fazer nova revisão, explicando algumas das razões que podem ter ficado menos claras. 
Há muitas opções que se podem tomar... quem quiser seguir a via da História oficial ficará descansado na conveniência de estórias com a documentação oficial seleccionada que sustenta períodos isolados, mas deixa múltiplas questões globais em aberto, às quais nem se procura responder. 
Quem quiser seguir as teorias de civilizações extraterrestres, poderá fazê-lo, mas faltará mostrar a sua necessidade. Ou seja, o que foi encontrado que não possa ser alcançado por tecnologia humana desenvolvida num espaço de dois ou três séculos? - que eu saiba, nada! 
Outra hipótese é ir pela versão das grandes civilizações desaparecidas, ao estilo Atlântida. Já escrevi sobre a versão Atlântida=América que circulou à época dos descobrimentos (Séc. XVII), mas faço notar uma outra hipótese que tem sido ignorada. A estória de Platão contava que os Atlantes dominavam a zona mediterrânica, e mesmo todo o mundo. Depois desapareceram, por via de um cataclismo... 
- Será que desapareceram? - E esse desaparecimento seria ou não conveniente? 
- Afinal quem colocava sempre os limites da expansão no Mediterrâneo nas Colunas de Hércules?
- Por que razão não se prosseguia pela África? Só o Infante D. Henrique obterá autorização?
Ou seja, por que razão não considerar que toda a zona europeia estava sob controlo de uma potência "atlântica-atlante", ou seja "americana"? - Porque será isso apenas coisa moderna, ou muito antiga, perdida no tempo? - Havia ou não fortes restrições na condução das políticas europeias, quase desde sempre?

Como vemos, mesmo esquecendo outras vertentes místicas/religiosas, há sempre muitas formas de abordar os problemas. A que me parece melhor é também talvez a mais difícil... ou seja, aceitar tanto quanto possível as histórias oficiais, e só sair delas quando não houver respostas ou nexo lógico. Ainda que esse seja um caminho cheio de armadilhas, pelo menos seguimos o rasto de um nexo já criado, em vez de fazermos fé numa qualquer hipótese mais fantasiosa, só porque há uma grande corrente de seguidores.

1) A ocultação greco-romana.
Todo o propósito do blog se deve à ideia de ocultação persistente, e para isso bastam algumas provas que deixei bem claras no texto sobre "contas". Podemos ir buscar os mapas, a documentação, etc... mas tudo isso é acessório, bastam simples contas. Basta saber que a andar normalmente, com muito tempo de descanso, os homens podem caminhar 1000 Km num mês. Isso destrói por completo a ideia de limitação de exploração do mundo aos sítios convencionais. A única barreira à exploração seriam imposições humanas, a partir do momento em que o Homem tinha capacidade de lidar com outros obstáculos.

Desde quando vem essa limitação?
No texto sobre "Era dos Cobres" sugeri que poderia ter acontecido na época de aparecimento dos metais. Porquê tão remotamente? Primeiro, porque me parece claro que os Romanos sofreram de restrições às suas explorações, circunscrevendo-se à bacia mediterrânica. Para uma civilização que idolatrava os feitos de Alexandre Magno, parece improvável que os imperadores romanos não se preocupassem em enviar barcos para explorar a costa africana, ou simplesmente enviar legiões expedicionárias - mesmo a pé - com o intuito de traçar o continente africano (resolveriam o assunto num par de anos). Note-se ainda o registo de animais exóticos encontrados nos frescos de algumas povoações romanas, como em Villa Romana del Casale.
Não poderiam ser ameaçadas as suas povoações norte-africanas por algum inimigo vindo desse grande continente africano, que lhes era desconhecido? Estranhamente, isso não os parecia preocupar. Tal como sabiam bem dos registos de circum-navegação africana dos cartagineses, e não se interessaram em segui-los nesse feito marítimo.
Também não seguiram muito a senda de Alexandre em direcção à Índia, apesar de terem sido herdeiros de parte do Império Seleucida, o que os colocava na zona do Médio Oriente, a pouca distância da Índia. 
Foram contemporâneos do Império Greco-Báctrio e depois do Império Indo-Báctrio, ambos de grandes raízes gregas, o que permitiria uma ligação facilitada, pelo menos linguística, com os Romanos.
Édito de Ashoka (rei Indiano), em língua grega e aramaica, em Kandahar (Afeganistão)
 
O báctrio Demetrius, fundador do Reino Indo-Grego (c. 180 a.C.)

Portanto, apesar de uma presença "ocidentalizada" na Índia, durante alguns séculos, a partir do Séc. I (ano 10 d.C.) esse reino de herança greco-báctria irá sucumbir a invasores Citas, e a Índia ficará afastada do contacto ocidental próximo até à chegada dos portugueses.

Os Romanos pareciam estar assim limitados.
O mesmo se tinha passado antes com os Gregos, e quem tivera o ensejo de modificar isso fora Alexandre Magno, sob influência do seu mentor Aristóteles.
De acordo com o registo greco-romano, mesmo Cartagineses e Fenícios, apesar da sua grande capacidade naval tinham razoáveis limitações. Aristóteles referia a pena de morte para quem ousasse permanecer nas terras exploradas. 
Porquê? - poderia ser apenas para evitar a saída, e a constituição de colónias rivais, tal como Cartago o foi face a Tiro e Sídon... mas isso não parece ser consistente com a constituição de outras colónias, como por exemplo as colónias ibéricas, nomeadamente Cartagena, na Espanha.

2) Ocultação anterior aos Gregos.
As descrições gregas, começando por Heródoto, revelam um conhecimento circunscrito, semelhante ao que se verificaria em período Romano. Os egípcios, apesar de terem enviado algumas embarcações exploratórias, como as do faraó Senusret, anteriores à Guerra de Troia, também parecem não ter tido grande interesse pela parte restante do continente africano - excepção feita à Núbia, território contíguo ao sul do Egipto.
Há referências soltas a explorações significativas. Ao rei Salomão são atribuídas expedições rentáveis a um indeterminado país de Ofir, expedição com o auxílio de Hirão, rei de Tiro (há uma curiosa "Lenda dos Cavalos de Fão", na Praia de Ofir, que remete a essa origem salomónica). Para além dos Fenícios, temos ainda os registos Aqueus, os antigos gregos, quer das viagens de Ulisses e Menelau, ou ainda antes de Jasão e dos Argonautas.
Uma possível situação marítima à época da viagem de Jasão.

Dante na sua Divina Comédia, coloca Ulisses no 8º fosso do 8º círculo do Inferno... o herói grego era colocado bem nas profundezas dos infernos medievais, mas aí se veria também o seu "renascimento".
Porém, associa-lhe claramente uma viagem atlântica (canto 26), quando refere que na "mão direita deixou Sevilha e na outra Ceuta", ou seja, parte para além das Colunas de Hércules, e quando "os astros do outro pólo à noite via", refere-se claramente a uma passagem da linha equatorial - alusão semelhante que Camões usará nos Lusíadas. Há ainda quem considere que Dante poderia sugerir mesmo que Ulisses tivesse alcançado a América...
Dante - Divina Comédia - coloca Ulisses no Inferno, mas também lhe 
associa uma viagem pelo Atlântico Sul, passando a linha Equatorial.

Para outra provável referência a grandes viagens, ainda anteriores, já referimos Sargão, o seu reino de Acádia, e até a designação dos Sargaços. E será nos textos sumérios c. 2000 a.C. que encontramos os eventuais primeiros relatos exploratórios. Podemos ainda referir os Tartéssios, na zona do Guadiana - Guadalquivir, talvez ilustrados no mito de "Jonas e da Baleia", que refere uma eventual fuga da violenta Ninive para um refúgio em Tarsis.

Aqui já estamos no final de todos os registos sejam históricos ou estóricos, parece haver um limite por volta de 3000 a.C, onde até os mitos escasseiam. Ainda que os Caldeus invocassem registos astronómicos de vários milhares de anos, diz-se que a sua medida de "ano" seria o "mês lunar", pelo que uma divisão por 12 remeteria valores de 30 mil "anos" para aquele período. Será nessa época que poderemos colocar o lendário Nimrod (Nembroth) da Torre de Babel, um nome hebraico que não consta na lista de reis sumérios, talvez sendo o avô de Sargão. A lista mais extensa dos assírios parece remeter mesmo a reis nómadas enquanto "reis que viviam em tendas".

Quanto aos egípcios, ainda que os mitos remetam a períodos anteriores, também os seus registos mais antigos surgem por volta de 3000 a.C. com uma primeira dinastia fundada pelo faraó Menes. Durante esses 3000 anos até à chegada dos Romanos, o Egipto parece ter-se mantido como uma forte nação independente, não sujeita a tantas instabilidades como as vividas pelos vizinhos mesopotâmicos ou persas.

É claro que uma prolongada estabilidade poderia ter levado a grandes viagens, não apenas pelo Mediterrânico, onde teriam sido óbvias, mas também pelo Índico, dado o acesso directo através do Mar Vermelho... e navegando pelo mais calmo Oceano Índico, poderiam ter chegado longe... até à Austrália?
Recentemente houve uma polémica acerca dos hieróglifos de Gosford (Austrália):
 
Hieroglifos de Gosford na Austrália (imagens)

Tratam-se de hieróglifos algo "toscos", encontrados gravados numa rocha de New South Wales (Austrália), e é claro houve alguma pressa em classificá-los como fraude, ou então como brincadeira antiga (de um militar estacionado no Egipto na 1ª Guerra Mundial), juntando-se a isto novas inscrições que iam aparecendo, ridicularizando mais, ou deturpando as anteriores.
Lembremo-nos que, aquando das figuras de Foz Côa, também houve candidatos que apareceram como pretensos autores de fraude, dizendo que "tinham desenhado os bois quando eram crianças"... Acaba por ser mais fácil encontrar mentiras prontas para encobrir estes achados do que propriamente os achados resultarem de mentiras...

3) A Síria, Assíria, Ciro e Tiro... 
A estes primeiros registos reportados a 3000 a.C. podemos juntar os registos do fim do Neolítico europeu, com a Cerâmica Campaniforme, de que falámos nas "Linhas Velhas de Torres".

Porém, fora desta cronologia ocorrem importantes registos soltos.
Já falámos de Gobekli Tepe ou Çatal Huyuk na Turquia, cuja datação aponta para mais de 10 000 a.C., tal como na Síria, nomeadamente em Tell Qaramel e Tell Aswad, ou Jericó (na Palestina), com datações entr 10 000 e 8 000 a.C., ou ainda Ain Ghazal (na Jordânia), c. 6500 a.C.
No caso de Tell Aswad e Jericó há uma semelhança na tentativa de preservação do rosto através de uma cobertura de barro, conforme se verifica neste crânios revestidos:
 
Tell Aswad (Síria)
Jericó (Palestina)
Ain Ghazal (Jordânia)

As formas humanas em Ain Ghazal mostram uma estilização com ênfase nos olhos, trazendo uma rápida lembrança da estilização que se popularizou na figura de humanóides. Há por vezes aspectos estranhos em representações humanas que remetem para esse tipo de especulações recentes. Fazemos notar que a associação entre duas representações tem dois sentidos... Só depois de se popularizarem as figuras de capacetes astronautas é que se começaram a ver capacetes de astronautas em muitas figuras antigas. Portanto, nessas associações convém sempre perceber a origem e motivo das interpretações.

Há ainda registos orientais muito antigos, nomeadamente em Yangshao (China), c. 5000 a.C, com registos cerâmicos muito notáveis até 10 000 a.C., havendo mesmo uma datação de fragmentos de cerâmica na Caverna Xianren que é colocada no Paleolítico, c. 20 000 a.C.
Vaso da fase Majiayao c. 3000 a.C (Yangshao, China)

Regressamos à zona da Síria, Turquia, Jordânia, relembrando o texto sobre o Campo Damasceno, nomeadamente a frase algo enigmática de Camões (Lusíadas Canto III, 9):
"Para que do mais certo se informara, ao campo Damasceno o perguntara".
Segundo Camões a disputa sobre a antiguidade humana seria mais certamente informada com os registos da zona de Damasco, na Síria. Consequência de muitas guerras com pretextos infernais ou primaveris, tem havido uma considerável devastação em muitos destes sítios arqueológicos... seja pela intervenção externa na Mesopotâmia/Iraque, ou pelas acções externas-internas mais recentes, na Líbia ou Síria, etc...

Aquilo que fazemos notar é que haveria uma História... ou Estória, que se enredava numa parte lendária, com teor religioso que remetia o seu início para um período c. 4000-3500 a.C. Até há pouco mais de 150 anos era considerado por cristãos, judeus, árabes, etc... que o primeiro homem teria surgido por essa altura. Ora, isso correspondia aproximadamente ao início dos registos históricos, desde Egípcios, Sumérios, etc...
A arqueologia com as suas datações subsequentes veio alterar muito esse panorama, mas não propriamente com o aparecimento de grandes culturas anteriores, excepção feita a alguns casos, como estes que aqui referimos. No entanto, estes registos soltos, à excepção de Jericó, não se enquadram em nenhum registo antigo, nem mesmo mítico.

Grande parte da tradição que sobreviveu passou por muitas influências, cada uma colocando maior ou menor deturpação para as gerações seguintes. Uma considerável influência passou-se com a acção das primeiras monarquias, dos Assírios/Babilónios, e depois pelos persas de Ciro.
Quando Ciro faz regressar os povos escravizados ao pretenso lugar de origem, nomeadamente os judeus/ hebreus, estes levam já uma versão adaptada pelos próprios magos Assírios. As semelhanças entre mitos babilónicos e mitos bíblicos não pode ser desligada do longo período de cativeiro.
É ainda na altura de Ciro que a cidade fenícia de Tiro começará a perder a sua relevância, já muito abalada pelo cerco de Nabucodonosor. Mesmo os Egípcios não ficaram incólumes a esta influência.

Se os sacerdotes egípcios acusavam os gregos de Sólon de serem crianças sem memória, quando lhes relataram a oposição heróica Aqueia/grega face ao domínio Atlante, não parece haver um enquadramento cronológico desse evento em função da Guerra de Tróia. Corresponderiam os Atlantes aos Troianos, na perspectiva egípcia? Sólon ou Platão não se teriam lembrado dessa vitória grega sobre uma potência externa para, ao menos, levantarem a questão?
21/05/2013

(continua...)

7 comentários:

  1. O que parece evidente, Caro Da Maia, é que em algum ou alguns momentos da história humana, se encontraram na Terra espécies distintas. Quer os achados arqueológicos, quer os glifos, quer os corpos e sobretudo os crâneos encontrados, apontam nesse sentido. E não me parece descabido, que as origens destes seres, fossem diferentes entre si.
    Ter-lhes-há cabido a construção dos grandes Monumentos Megalíticos, dispersos pelo Vale do Nilo e Norte de África, Médio Oriente, hoje regiões quase desérticas, e na Asia na América e na Europa,e cuja finalidade permanece uma incógnita.
    E muito provávelente existiriam entre esses habitantes da Terra, da Pré-História, grandes incompatibilidades entre si, o que os terá conduzido à Guerra e à destruição.

    Maria da Fonte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão. Mas gostaria de adicionar um ponto à discussão, Maria da Fonte.
      A noção de espécie é hoje um pouco mais estanque do que era.
      Ou seja, apenas pelo contacto visual com os outros, como saberiam as tribos que se tratavam ou não da mesma espécie?
      - Na prática, cada tribo poderia ver-se como espécie distinta da tribo vizinha, especialmente quando o aspecto dos outros era razoavelmente diferente.
      Alguém me disse que haveria uma tribo na Papua-Nova Guiné que chamava às outras "comida"... está-se a ver o motivo antropofágico!

      Por exemplo, a distinção Neandertal vs. Cro-Magnon dependeria muito da cultura deles. Também não é claro que a reprodução fosse tão estanque quanto o é hoje... nem o deveria ser. O "menino do Lapedo" abriu essa possibilidade de cruzamento Neandertal com Sapiens.

      A ciência tem essa mania de ver o passado como uma linearização do presente. Se hoje não é assim, antes também não era. Isso é redutor. Aliás qualquer teoria da evolução, de Darwin ou outra, ficaria bloqueada pela esterilidade entre espécies distintas.
      Repare, para ter uma nova espécie precisava de haver a mesma mudança em vários elementos da espécie anterior. Por exemplo, não bastava um antepassado do cão passar a lobo, seria preciso que acontecesse a vários e ao mesmo tempo!
      Aquilo que sempre definiu a reprodução foi a atracção sexual, e isso não era um produto cultural, seria mais um instinto animal. Ou seja, a chave das espécies esteve sempre num "instinto insondável da natureza" e não em nenhuma redoma cultural. Acho que só os homens tentaram controlar/reprimir esses instintos, contra o apelo natural.

      Do ponto de vista do aspecto, é fácil ver que no caso da espécie canina aparecem os bichos mais variados. Uns são autênticos cães gigantes face a outros que parecem anões. Pode ter ocorrido o mesmo entre os homens... ou seja, pode ter havido gigantes e anões. Tem razão, há esqueletos que confirmam isso, e parece que tem havido grande vontade do ocultar - especialmente dos gigantes, quanto aos anões - aqueles da Ilha das Flores (Indonésia), escaparam ao controlo, e teve que se reconhecer a espécie pigmeia (agora devem estar à espera que o pessoal se esqueça do assunto, e depois voltam a encobri-lo).

      Eliminar
    2. Aquilo que me parece é que da mesma forma que hoje é possível o cruzamento de raças, há uns milénios atrás seria possível o cruzamento entre espécies. Repare tem uma classificação de Lineu:
      Reino/Filo/Classe/Ordem/Família/Género/Espécie/Raça
      ... o que eu sugiro é que as coisas foram-se apurando. Hoje é possível o cruzamento de raças, não de espécies. Eu diria que há uns milénios aconteceria o mesmo entre espécies e género. Poderiam cruzar-se as espécies dentro do mesmo género.
      Os Sapiens e Neandertais pertenciam ao mesmo género - Homo.
      Da mesma forma, recuando mais, seria possível o cruzamento na família Hominidae entre diferentes géneros... e assim sucessivamente.
      A evolução foi bloqueando a reprodução e foi definindo a hierarquia até às espécies, de forma algo estanque.
      Num próximo passo, poderia fechar as raças... impossibilitar o cruzamento de raças.
      Pela mentalidade animalesca que vai prevalecendo, isso seria dramático - levaria a guerras entre raças!

      Não creio que isso vá acontecer, e explico porquê.
      Ao contrário do que se pretende, creio que a história da Terra não tem "bilhões" de anos, tenho mesmo dúvidas se chegará a ter milhões de anos. Tudo tem a ver com a existência de vulcões activos - já não deveriam de existir, porque o calor dissipa-se muito rapidamente (experimente manter água quente num termo durante um mês).
      O que se deve ter passado é que houve um período inicial da formação terrestre com reacções nucleares dentro do núcleo da Terra. Por consequência, havia forte radiação na superfície. Isso favorecia frequentes mutações em plantas e depois em animais. Tudo era mais rápido, bem como as alterações geológicas. Assim, os tempos que são colocados em "milhões" de anos, poderiam bem passar a alguns "milhares" de anos.
      Quando acabou esse período mais radioactivo, o interior da Terra começou a esfriar, a crosta definiu-se, e as mutações biológicas foram menos frequentes - ora isto deve ter acontecido há não muito tempo.

      Repare, a explicação da existência de elementos pesados na Terra - carbono, metais, urânio, etc... é uma história da carochinha. O Sol só é suposto passar hidrogénio a hélio. Os elementos mais pesados teriam que vir de uma supernova, andar a passear pelo espaço, e agrupar-se como poeira cósmica em planetas!

      Em resumo, estou de acordo consigo. Parece-me que houve humanos "maiores" que desapareceram, de onde surgiram os mitos de gigantes. Acabaram por desaparecer por competição, guerras, e simples selecção reprodutiva. O intermédio sugere coabitação entre elementos com bem mais de 2 metros, pouco numerosos, e muitos elementos abaixo de 1 metro e meio.

      Não tenho muitos dados objectivos para suportar estas conjecturas, mas talvez consiga escrever isto de forma mais sólida.

      Obrigado pela questão pertinente.
      Abraços.

      Eliminar
    3. Caro Da Maia

      Quando falei em Raças, expliquei-me mal.
      Queria dizer, Seres Humanos Like.
      A proveniência foi seguramente múltipla. Mais ou menos distante. Mais ou menos avançada...
      Desculpe se o choquei...mas do ponto de vista Antropológico e Arqueológico...é o que parece.
      Quanto ao Núcleo da Terra, bom...parece que terão que ser dois a rodarem e sentido contrário....ou então a explicação terá que ser outra, muito diferênte.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    4. Cara Maria da Fonte,
      pois não tinha percebido nesse sentido, mas para o que interessa é indiferente.
      Há que ter uma perspectiva mais filosófica e perceber que tanto faz qual é a origem. A mim não me choca nada, só que também não me adianta nada. Há um pessoal que se entretem em falar em "reptilianos", outros em "humanóides", tal como antes já se falava em "vampiros" ou "diabos", etc...
      Tudo isso é indiferente, são nomes diferentes para uma falta de entendimento.
      Um escravo em Roma tanto poderia chamar réptil, alienígena, vampiro ou diabo, ao seu senhor... não era por isso que seria melhor ou pior tratado do que tendo um dono humano. Interessava se o senhor o via como um igual ou como um animal - essa é a única diferença - o respeito entre seres pensantes.

      Por exemplo, os sumérios falavam superiormente dos Annunaki, tal como uma tribo africana poderia falar superiormente dos próprios sumérios. Pode haver diferenças tecnológicas entre uma mesma espécie, ou entre espécies diferentes... mas o problema será sempre a diferença tecnológica e não a espécie. O problema será saber se a ética acompanhou a evolução técnica, ou se a ética continuou a ser animalesca.

      Quanto ao núcleo da Terra, o magnetismo ainda continua por explicar convenientemente... para além de que parece haver registos de 171 mudanças de direcção da magnetização - ou seja, eventual inversão de pólos. Mas sobre o interior da Terra pouco mais se sabe do que conjecturas de adivinhação. As sondas mais profundas nunca saíram da crosta terrestre, nem há perspectivas de o fazerem nas próximas dezenas de anos.
      Dizer que o núcleo da Terra roda e é de ferro, e que o manto é aquecido por potássio e urânio radioactivo, é só porque dá jeito a algumas teorias simplificadas, mais nada.

      Abraços

      Eliminar
  2. cartagineses e fenicios tinham uma grande capacidade naval?desde quando?
    nunca percebi esse mito que fenicios eram uns grandes navegadores.navegavam no mediterraneo que é uma banheira.qual é a dificuldade de navegar no mediterraneo?
    o mesmo para os egipcios,mas esses ainda mais facil era,navegavam em rios.
    gregos e romanos tambem eram grandes navegadores?limitavam-se a navegar no mediterraneo como os outros.

    o engraçado é que a europa ocidental escreveu sobre a historia de todos os povos mas da sua historia nada,a historia da europa ocidental ninguem sabe.ninguem sabe nada da penisula iberica,irlanda,reino unido..

    quando gregos,fenicios chegam á penisula iberica ate parece que sao uns super herois comparados com as populaçoes que aqui estavam.sera que ainda viviam em cavernas e eram primitivos?
    imagino,devem se ter ajoelhado perante o grande deus ulisses.

    é como a tao famosa migraçao que veio da anatolia ou la de onde foi e veio ensinar aos primatas da europa ocidental a agricultura.ainda deviam viver em arvores nessa altura.coitados.


    e a famosa guerra de troia?parece que a cidade de troia nao é assim tao espectacular.

    egipcios,gregos,romanos,judeus..todos peritos numa coisa..propaganda.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, caro Anónimo, para ilustrar isso fiz há uns anos um boneco ilustrativo:
      http://alvor-silves.blogspot.pt/2011/03/traffic-signs.html
      ... é como se tivessem sido estabelecidos sinais de trânsito que proibiam navegações atlânticas. De qualquer forma, era reconhecido pelos escritores da Antiguidade a capacidade naval fenícia e cartaginesa.
      Os nossos Duarte Pacheco Pereira e António Galvão, "heróis" do Séc. XVI atribuíam aos cartagineses navegações atlânticas e até o circuito africano.

      Quanto à história ibérica e das ilhas britânicas na Antiguidade, há um claro secretismo, estamos de acordo. Primeiro houve uma versão algo mítica, que aparentemente foi baseada num registo falso do historiador Beroso. Isso ligava à parte dos reis míticos da Ibéria, por Tubal neto de Noé, pode encontrar aqui um resumo:
      http://alvor-silves.blogspot.pt/2010/05/por-tubal.html
      ... essa versão foi violentamente atacada e desprezada posteriormente, a ponto de deixar de constar mesmo como lenda. Alexandre Herculano varreu isso para baixo do tapete, e desde essa altura que mais não se falou no assunto.
      Depois veio o Iluminismo francês que nos disse exactamente isso - os povos da Ibéria eram embrutecidos, macacóides, e tiveram que ser os celtas franceses a civilizar-nos até para fazer menires e antas. Era ilustrativo do que se passou nos séculos seguintes - passámos a importar toda a cultura da França, Inglaterra, etc... mais uma vez vieram ensinar os macacóides.

      Quanto a Tróia, consta que havia muitas... uma delas era naquela sítio onde Schliemann a encontrou. Pode ter sido essa a razão da guerra, mas não o sítio...

      E, lá está... quem controla a informação, controla as cabeças, e a propaganda é uma das formas de fazê-lo, outra é a educação e sistema de ensino. Perdeu-se por completo o registo familiar... e como já aqui disse, desse ponto de vista, somos gerações sem avós - toda a informação vem formatada da escola como verdade indiscutível.
      Para ir de Ceuta à Guiné não precisavam de caravelas, bastava um grupo expedicionário pelas praias e chegariam lá em menos de 6 meses.

      Eliminar