terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Estória alternativa (2)

A ideia principal nesta estorieta é objectivar um nexo ao longo dos tempos. Para uma história que descreve acontecimentos mas que não os enquadra, que faz parecer tudo fruto de acasos avulsos, para esse efeito já temos a história habitual, como uma imensa manta de retalhos... em que uns povos são diferentes porque sim, e outros são semelhantes porque sim. Uns têm os olhos em bico, outros não têm, uns fizeram civilizações outros não... constata-se, mas não há sequer tentativa de enquadrar.

Há uma grande uniformização fisionómica a oriente que só me parece explicável por um ascendente quase único, mas circunscrito a essas paragens. A recessividade genética tem tendência a sobrepor certas características, mas isso teria levado a uma população global muito mais parecida com a indiana do que com a chinesa, europeia ou africana. O maior vestígio duma mistura natural num contacto de culturas será o indiano, e a partir daí começou a impor-se alguma separação racial... as castas terão sido o primeiro sinal dessa ordem.

De luva e lava
O dilúvio reportado terá sido o segundo no registo dos magos. Teriam sobrevivido nas partes altas das ilhas da Oceania pela primeira vez, e daí definido o seu poder local, depois migrado para a Índia e China. A palavra "dilúvio" tem no "luv" uma derivação latina do "lav" de lavar... e a lava não é só de água, é também de vulcões. Fenómenos que lavaram registos humanos como uma luva.

Na parte grega do mito diluviano encontramos um Licaão da Arcádia, que pelo seu sacrifício de crianças é transformado em lobo por Zeus, e os licantropos seriam varridos pelo dilúvio... 
Se os pelasgos da Arcádia eram condenados com Licaão, ao mesmo tempo, pelo lado de Atenas encontramos Cécrope, figura mítica metade homem - metade peixe, que é incumbido de ensinar aos gregos a leitura, a escrita, e até sepultar os mortos. Cécrope tem um aspecto capricórnio, tal como será apresentado em Matsya, o avatar de Visnu que salva Manu.
Zeus condena Licaão e a Arcádia... 
os licantropos sobreviventes seriam vistos como lobisomens.

O mito grego é completado com Deucalião, filho de Prometeu, sobrinho de Atlas, que também sobreviverá ao dilúvio no monte Parnaso, em conjunto com a mulher Pirra. Prometeu e Atlas fazem parte dos titãs condenados por Zeus, vencedor da Titanomaquia contra Cronos. Atlas ficará sempre ligado às paragens ocidentais, dando o nome às montanhas mauritanas, ao próprio oceano, e por associação aos atlantes. 

Houve um caminho que se fez entre o imaginário e o real. Quanto mais racional se tornou a humanidade, menos espaço houve para um acordar em mundos fantasiosos. O poder da ilusão pode ser imposto quando não há um substrato racional para o questionar. Esse era o mundo ideal da magia, que se impunha naturalmente, como convite a uma miragem da realidade. Havendo predisposição para isso, esse era um mundo em que magos podiam condicionar exércitos, e escrever outra realidade.
Quando os homens deixaram de ser tão sugestionáveis pelos espíritos, e pragmaticamente começaram a erigir fundações do seu conhecimento, esse mundo mágico começou a ficar condicionado pela racionalidade. Por isso os espíritos dos deuses-magos sempre procuraram condicionar os progressos mais racionais, e promover dedicação à sua causa, onde não haveria restrições físicas-matemáticas.

Os atlantes ao procurarem maior conhecimento despertaram a racionalidade humana para um patamar que exigiria um outro controlo, para além da mera ilusão xamã. Atlas terá que aguentar esse novo mundo, um mundo de homens despertados pelo fogo de Prometeu, mas ameaçado pelas contradições que Zeus fez questão de trazer, pela oferta de Pandora. O desejo e curiosidade incessante, o mesmo que é oferecido pela serpente a Eva, e que retira os homens da sua inocência primitiva.
A invocação do mito grego foi aqui trazida na continuação do argumento do texto anterior. Um novo poder divinal de magos iria instalar-se sobre paragens caucasianas, recuperando povos que estavam condicionados a uma informação quase infantil, órfãos constantes do passado. A evolução desses povos seria usada para contrabalançar restos de população rebelde, atlante, perdida em ilhas... os Pelasgos, expulsos da Arcádia, pintados como lobisomens. 

Hércules
Pelo lado do panteão dos magos-deuses iriam definir-se então impérios servidores... sumérios, egípcios, gregos. Por esse lado se contará a história habitual, e é preciso perceber no que faltava a história restante. Se houve uma cultura primitiva desenvolvida na arte rupestre pelo lado europeu, onde estaria ela por essa altura? Não eram as planícies ibéricas, italianas, francesas, suficientemente atractivas para gerar civilizações? Por que razão se circunscreviam então as civilizações naquelas paragens próximas do Cáucaso, da Ásia Menor? As montanhas gregas ou turcas favoreciam a agricultura? As zonas áridas do Crescente Fértil não eram áridas? Então e o que dizer da zona norte de África, magrebina? Parava a influência egípcia no Nilo, nada havia a ocidente?

Bom, a ocidente haveria então a influência restante da população atlante esquecida. Alguma estabelecer-se-ia na Mauritânia, e nos antigos geógrafos greco-romanos ainda encontramos a referência "Atlantes" para os povos que viviam nessa parte do norte de África. 
Conforme observámos no texto "Grota do Medo", o Rei Hiempsal tinha o relato da expedição de Hércules à Hispania. Um exército de Arménios, Persas, Medos e outras nações... tipicamente da região caucasiana, provavelmente enviado para terminar com um novo poder que se estabelecia na Ibéria.

Schwennhagen dá importância ao domínio dos Geriões sobre a Ibéria, que teria quebrado a dinastia atlante. Os Geriões são remetidos à Ilha Eritreia e à capital Carteia... Muito provavelmente, em tempos de maior nível de água, a ilha Eritreia, contígua à península seria o Algarve, e Carteia é um nome antigo de Quarteira. 
Hércules contra os Geriões (dito melhor, "Guerriões"?)

A figura de Gerião, confunde-se com os filhos Geriões, e colide com a de Hércules. Um dos trabalhos seria roubar os Touros de Gerião... mas por outro lado, Hércules é visto como aniquilador do despotismo de Gerião, sendo depois vítima dos seus três filhos... que foram vistos como um monstro de 3 cabeças. Todo o contexto do mito, da história, depende do lado em que se coloca o contador. Os Geriões chegaram a ser vistos como libertadores da Ibéria... e nesse caso o invasor seria Hércules. Ora, isso embate contra a fama popular do herói grego (líbio ou egípcio), que emprestava o seu nome a quase todos os monumentos ibéricos, conforme criticava André de Resende.

A entrada de Hércules marca um período em que a revolta da restante população atlante foi esmagada pelo envio de um exército enviado pelos deuses-magos após a abertura do Mediterrâneo à navegação. As Colunas de Hércules marcariam a imposição desse domínio, e a proibição dos mediterrânicos a contactos para além daquele ponto. Após as colunas foi definido um Mar Eritreu, vermelho, como limite às navegações mediterrânicas.

O exército de Hércules após a sua morte acaba expulso, e segundo Hiempsal os persas, medos e arménios acabam por ficar do lado africano, sem qualquer simpatia dos hispanicos. É de considerar que apesar da derrota, os hispânicos tivessem acolhido bem Hércules e algum eventual acordo de paz, que os circunscreveria ao lado atlântico para navegações. Os deuses-magos exerceriam o seu poder sobre o lado mediterrânico e oriental até à Índia. As Colunas selariam esse limite... durante algum tempo, para obter as maçãs de ouro hespérides, Hércules aguentou com o equilíbrio do mundo, em substituição de Atlas. O acordo que passava do vermelho ao laranja, com maçãs douradas, seria esse... um fornecimento de ouro hispânico, que tornou o Tejo famoso na Antiguidade. 
Carregamentos que eram enviados para a Ásia Menor, para a Lycia, Lidia, Frigia... e que deram origem aos mitos de Midas e Creonte. Nem seria claro que fosse o Tejo a origem do ouro. Possivelmente poderia ser trazido doutras paragens, até americanas, e ali reunido para remessa posterior.
O "Velo de Ouro", missão dos Argonautas e Jasão na Cólquida caucasiana, verificaria o mundo restante após o prejuízo diluviano, circunscrevendo a grande ilha europeia. A Cólquida caucasiana simbolizaria a vontade de velar pelo ouro presente noutras paragens.

Car
Schwennhagen dá especial relevância à Cária, região vizinha da Lycia e Lidia, e ao seu fundador Car, um nome cabal, associado aos Cários e à capital Halicarnasso ("jardim sagrado de Car"). Citando-o:
Na época de 1800 a 1700 a.C. saiu da Caldeia, como emissário da Ordem dos Magos, o progenitor, respectivamente organizador e legislador dos povos cários, chamado K.A.R. Esse nome é uma forma cabalística cujo significado pertencia aos segredos da Ordem.
Depois prossegue, estabelecendo uma vasta ligação entre os Cários e os Tupis brasileiros. Car seria o precursor de uma religião monoteísta centrada em PAN ("senhor do universo"), os tupis chamavam-lhe TuPan, que se encontra também em Moisés com Jeová, ou até no faraó egípcio Akenaton, com o seu culto ao sol Rá.
Schwennagen dá exemplos de múltiplas palavras que usam Car, passando pelo feminino Caeres que daria Ceres (divindade similar a Cíbele, Gaia), e ainda das Cariátides, filhas de Car. Outras atribuições vão do fenício Cartago ao egípcio Carnac... mas também ao tupi Carioca, e até ao coloquial brasileiro "cara"! 
Portanto, se às vezes parece que exagero nas associações, basta olhar para outros autores para ver que até me contenho bastante nas simples especulações. Segundo ele, PIA era outra palavra dos magos para compreender a religião, e AGA era um servidor divino... assim, "carpia" pode ser relacionado com carpir - está correcto, e quanto a "caraga"? Bom, é só uma linha de exploração evidente. Nem estou só a brincar, porque estas coisas têm um lado "caricato", anedótico - mas também já vimos outras "piadas", e que os Anedotos eram afinal os poderosos Anunaki dos sumérios.

Esta associação de Schwennagen é importante porque mostra como o poder dos deuses-magos estava interessado também em consolidar-se nas paragens americanas, evitando a forma subsidiária dos hispanicos. Schwennhagen considera que a ligação ibérica era feita através de Tarsis e dos tartéssios, ligando logo aos fenícios e ao acordo entre Hirão e Salomão. Porém, creio que é preciso recuar um pouco mais, e falar de Tróia.

Tróia
Os barretes frígios foram vistos como um símbolo de liberdade, e Heródoto remete a origem dos frígios para a Europa. Aliás, os Países Baixos foram identificados com a Frísia, nome algo semelhante, tal como é semelhante o nome dos Lusos relativamente à Lycia (Lucia), lembrando que se escreveu Lysitania.
Pode ter acontecido que depois do embate herculeano, as populações atlânticas tenham recuperado lentamente, e constituído uma confederação de "galos", talvez melhor ilustrada pela presença da cerâmica campaniforme em toda a Europa. Conforme já referimos, esta seria a origem comum do nome da Galiza, da Gália, de Gales, da Galécia ucraniana, e depois da Galácia, na Ásia Menor. Toda esta região seria então navegável, e este ponto comum seria a base de uma cultura celta que ia buscar o seu passado anterior à invasão ariana. O seu porto principal seria, pois, um porto-galo, nos limites anteriores às colunas de Hércules, numa certa Tróia. 
Haveria uma correspondente Tróia na Ásia Menor, onde desembarcaria o ouro devido aos magos, pelo acordo de paz. O mais natural é que as cidades da Ásia Menor ficassem efectivamente com a riqueza explorada às colónias europeias.
Isso até ao ponto de ruptura, em que há uma tentativa de sublevação da colónia europeia de Tróia. Será o pretexto para a Guerra de Tróia, onde mais uma vez os gregos são encarregues pelos deuses de restabelecer a sua ordem em paragens afastadas. Conforme assinala Schwennhagen, o "Aga" em Agamemnon revelaria esse servidor dos deuses.
Ou seja, a Tróia turca existiria, seria destruída, mas o que demorou dez anos de guerra, e a odisseia de Ulisses seria uma outra Tróia remota, muito provavelmente em paragens ibéricas que acolhessem o ouro do Tejo e das várias minas alentejanas.
O desfecho é conhecido... Tróia cai, mas também se segue um período que ficou conhecido pela invasão dos "povos do mar". Estes povos do mar, vistos como piratas, seriam resultado do fim da estrutura social dos galos troianos... ficando por sua conta, atacariam o Mediterrâneo de forma caótica. Roma reclamará a herança troiana, mas antes disso os galos vão despertar como uma fénix que iria criar a Fenícia por via dos Venécios ou Venetos, que também seriam antecessores etruscos.
Este período é já colocado num tempo próximo... por volta de 1500 a.C.

(datação)
Temos evitado falar de datas porque não me parece haver nenhuma história plausível por mais do que 10 ou 20 mil anos, desde que o homem não é macaco! Falar de histórias com 100 mil anos ou até milhões de anos é simplesmente não pensar na actividade humana. Ninguém fica dezenas de milhar de anos a pintar grutas e a ver o tempo passar. Por isso, por estranho que pareça, a datação religiosa parece ser mais plausível, concatenando o despertar humano nuns simples 6000 anos... De resto parecem haver simplificações lineares de hipóteses nas datações científicas. Os ciclos não tiveram que ser sempre iguais, e a datação lunar precedeu a datação solar, o que multiplica anos por mais de 12 em registos de outras épocas... ou até por mais, se o ciclo lunar nem sempre fosse constante como hoje.
Ao contrário do ciclo lunar, que é evidente pelas fases da Lua, o ciclo solar só se deve ter tornado evidente com a agricultura numa época pós-glacial, em que as estações se ligavam directamente com as colheitas.

Aliás é de considerar que tenha sido uma perturbação orbital no sistema Terra-Lua, por algum embate violento de asteróide, que pode ter originado forças de marés semelhantes a dilúvios. Alterações climáticas e geológicas súbitas podem comprometer as hipóteses dos sistemas de datação simplificados, que normalmente ignoram "catástrofes", apesar de algumas delas estarem bem claras nos registos fósseis.

3 comentários:

  1. If you still think that there are not aliens! After seeing will no longer think that everything is a lie and invention of crazy! Notice in the video the differences between a normal human skull and skull alongado.Eles mediate between 8-12 feet. They are the Anunnaki, the Sumerian were all crazy to create huge monuments and talk about high beings. These higher beings ruled indirectly the world after the Great Cataclysm and still do.

    http://www.youtube.com/watch?v=z_7-OTxBLjU

    Type in google "elongated skulls" which is what this below.

    https://www.google.com/search?q=elongated+skulls&espv=210&es_sm=122&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=TRrNUvjJFoiS7Qay8oEI&ved=0CCwQsAQ&biw=1366&bih=605

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Skull alongado"? Isso deve ser um inglês técnico que desconheço, e até suspeito de quem... mas, enfim, viva o circo, palhaçada não falta!
      Se quiser escrever em português e a teoria for minimamente consistente, não deixarei de lhe dar a mesma atenção que dei da outra vez.
      Cumprimentos.

      Eliminar
    2. The skulls might be alongated... anyhow you still see ape-like skulls. Thus, these aliens also descend from apes, from earth-like apes, which descend from earth-like mamals.
      Therefore, either you have a earth-like planet nearby, or in a much simpler way... they are just from this Earth, and they are nothing more than alongated skulls, nothing else!
      Isn't that obvious, my friend?

      Eliminar