quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Cosquer - caverna rupestre submersa

Apesar de ser claro que o nível de água teria que aumentar após a "Idade do Gelo", e que assim há diversos registos humanos que estão obviamente submersos, persiste a ideia de evitar considerar o assunto.
Basta ver o esforço em desacreditar que Yonaguni não seria construção humana:
Degraus submersos em Yonaguni (Japão) 
Degraus em Sachsayhuaman (Peru)
Comparação e mais imagens em: 

A Caverna Cosquer, perto de Marselha, foi "encontrada" em 1985 por Henri Cosquer, mas só foi "achada" em 1991, quando morreram 3 exploradores (informação da wikipedia). Durante 6 anos esteve encoberta, para além de ter estado realmente submersa durante vários milhares de anos.
Apesar de fazer já parte do património francês, dificilmente se pode considerar que a Caverna Cosquer tenha a atenção que deveria merecer, dado o carácter único do achado... longe disso! Já tinha visto muito sobre cavernas pré-históricas e nunca vi nenhuma referência especial a esta. Eu diria que apesar de achada, ainda não foi descoberta... usando os termos "achar" e "descobrir", segundo as conveniências políticas passadas, e por sinal presentes.
Ou seja, para descobrir, é preciso ter o acordo dos cobridores...
- Qual penso que seja o maior problema?
- Simples. Depois de tantos anos a desacreditar o misticismo, incluindo a história do dilúvio, ter de aceitar que houve uma inundação da área habitável é visto como uma possível credibilização bíblica, ao nível da população.

Entrada submersa a 37 metros
A entrada submersa da Caverna Cosquer está a mais de 30 metros, e como não se aceita que os nossos antepassados tivessem guelras, fatos de mergulho, ou capacidade de teletransporte, parece ter sido finalmente aceite que as pinturas foram feitas numa época em que o nível do mar estava dezenas de metros abaixo do actual - e a custo, fala-se em centenas, mas a barreira instituída, por agora, são os 150 metros... já que polvilham evidências por todo o lado até essa profundidade.

a entrada submersa leva uma gruta que está acima do nível de água... 

Ora, o que se encontra na Gruta de Cosquer?
Não parece ser muito diferente dos outros locais... registos de mãos pintadas, já datadas com 27 mil anos, e outras pinturas de animais, mais recentes, datadas com 19 mil anos.

O ministério da cultura francês tem uma página bastante boa:
e não se poderá criticar a ausência de reconhecimento governamental, neste caso.
Também há fundações privadas que têm um registo igualmente bom:

... mas o problema é que até fazer parte da "agenda de conversa" nos quiosques habituais da internet, nos livros dos divulgadores dedicados a estes e outros assuntos, a informação é residual. Na maioria das vezes somos apenas caixas de ressonância, repetindo num lado o que foi visto no outro, e é quase sempre a mesma informação seleccionada.
Como já disse, e creio ser natural, estes exemplos só servem para mostrar que deveria haver imensas cavernas com arte rupestre. Os nossos antepassados eram dados à espeleologia, e se não encontramos mais registos, muito provavelmente estão encontrados, mas por "descobrir", ou foram "lavados pelo tempo".

Deixamos algumas figuras, das várias que podem ser encontradas nos referidos sítios:



Merecem só uns pequenos comentários. Por um lado vemos que o local estaria próximo de caça de veados, cavalos, bisontes, o que nos parece que coloca a caverna não tão próximo do mar quanto isso... e por outro lado, a última imagem sugere realmente algum animal aquático.
A legenda da figura diz "três pinguins"... talvez pudessem ser pinguins, alcas, focas, ou lobos marinhos... mas com o mesmo grau de arbitrariedade também podemos pensar em coisas mais antigas, lembrando que o primeiro fóssil de réptil marinho foi encontrado numa caverna, em Maastricht, e foi o então famoso Mosossauro:

44 comentários:

  1. Boa noite!

    Estou perplexo com a sua leitura "afunilada" que leva o desaparecimento dos restantes,ditos, dinossauros da face da terra...provavelmente esta relacionado com o que ocorreu na ultima era glaciar. Acredito no seu projecto e estou no mesmo barco,que é,a verdade! Sempre que encontrar algum material que possa ser útil para o seu Blog eu cá o colocarei para si e para quem o desejar ver. Acabei por encontrar o livro "ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE", penso que o deve conhecer... se não for o caso...

    http://www.jecelo.com/livros/dreamweaver/arquivos/a/atl%C3%A2ntida%20o%20oitavo%20continente%20-%20charles%20berlitz.pdf


    Um fiel leitor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://www.archive.org/stream/cu31924029281801/cu31924029281801_djvu.txt
      http://pt.scribd.com/doc/195601575/folkloreinoldtes01fraziala-pdf

      Eliminar
  2. "Stonehenge ruso"

    http://actualidad.rt.com/cultura/view/112247-video-fotos-rusia-muro-stonehenge-piramides


    ResponderEliminar

  3. Caro Paulo,

    muito obrigado pelos links, qualquer um deles daria para vários artigos... e por isso vamos com calma, que está aí muito material para ler com atenção. Para já não tenho tempo, e espero não me esquecer de olhar de novo.

    Há imensos livros, e se há coisa provável é eu não os ter lido, como é óbvio ninguém tem tempo para ler tudo, por vezes nem sequer os que compra. Vamos lendo o que se nos for deparando... sem pressas excessivas.
    Depois, também acontece que mesmo que tenhamos lido, ao relermos com nova informação, as coisas começam a encaixar de forma complementar. Portanto o processo nunca acaba... o que interessa é manter uma ideia geral estruturada, os detalhes são secundários, senão seria uma tortura.

    Os detalhes só não são secundários quando começam a aparecer em vários sítios da mesma forma... deixam de ser detalhes e passam a ser um rasto de algo maior.
    Assim, já vi demasiadas pinturas rupestres com aspecto de dinossauros... nomeadamente no continente americano, e eu não excluiria que houvessem ainda grandes répteis (dinossauros) sobreviventes, quando os humanos chegaram... e até que se mantivessem presentes à altura dos descobrimentos.

    As cartas marítimas apresentam monstros, e pode-se ter dado uma caça, tal como houve caça à baleia. A ideia dos dragões poderia perfeitamente resultar de avistamento de ossadas de pterodáctilos, ou até de alguns bichos sobreviventes.
    Ao contrário dos animais mais pequenos e abundantes, aos humanos teria sido possível dar caça a grandes bichos, até à extinção... fizeram isso várias vezes, com diversos animais - por exemplo os bisontes, leões, rinocerontes, etc... desapareceram da Europa. Os mamutes desapareceram do mapa... e não creio que fosse por extinção climática apenas, foi também a caça sucessiva.
    Talvez um problema da América do Norte, que se manteve oculta demasiado tempo, fosse a própria existência de alguns desses espécimes em extinção... se assim fosse, e alguém se lembrasse de trazer uns ovos desses para a Europa, poderia ter um autêntico acto de terrorismo instituído. Afinal, havia sempre o relato medieval dos monstros nas florestas que assolavam populações. Se muitos dinossauros desapareceram do registo fóssil, não quer dizer que tivessem sido todos (muitos répteis sobreviveram), especialmente no caso marinho, onde foram encontradas espécies dadas como extintas. Cavernas e até cidades subterrâneas podem ter sido uma solução, não só contra outros humanos, mas também contra animais perigosos. Nem sempre o homem foi o predador, também serviu de presa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico grato pelo apreço, mas o único fiel que interessa é o da balança da justiça.
      Aliás, acho que já escrevi, mas é bom relembrar - o "confiar", o "fiel", são palavras que vêm de "fio"... o fio, o fiar, é uma ligação muito frágil. Muito mais forte é a "corda", do "concorda", porque quando concorda fica independente do outro, é você mesmo o portador da ideia com que concorda.
      Assim, respeitando as palavras da nossa língua, uma ligação "cordata" é mais estável do que a do "confiar". Aquilo que interessa é manter essa relação cordata, no colaborar - que significa co-laborar, ou seja trabalhar em conjunto.

      É bom não fiar, até concordar, e uma corda é feita de muitos pequenos fios entrelaçados. Ou seja, devemos fiar em coisas simples, evidentes, mas são elas juntas, unidas, que dão depois a força da corda e permitem o concordar.

      Como disse no comentário da Amélia, acho que podemos ver o universo como uma mãe que nos gerou, depois foi amante da espécie que melhor a entendesse, e agora é a filha que aguarda o futuro que se constrói.
      Não deixa de ser as três ao mesmo tempo... e isso é algo complicado de gerir, mas não tenhamos dúvidas que os inspectores estão a ser inspeccionados. Por isso, meu caro, a mãe exige tratamento igual aos outros irmãos, a mulher quer a sua atenção exclusiva num mundo a dois, e a filha quer inovar no futuro. Se isso é difícil de conciliar em famílias pequenas, imagine à escala universal.
      Assim, meu caro, se há coisa certa é que não precisamos de invocar ETs mais evoluídos, já basta ter que explicar onde estava a equidade ao comer os manos animais. Porque a mãe queria saber, e a filha estava à espera de ouvir a resposta.
      Agora, as raízes são fortes e a árvore começa a dar os primeiros frutos... mesmo que ainda tentem tapar a luz.

      Abraços.

      Eliminar
  4. Boa noite!

    Caro Alvor,não fique chateado comigo,esta bem? Eu encontrei informação interessante sobre os malditos....e só quero que dê uma vista de olhos,o material tem poucos dias!Já estava para o colocar cá mais cedo mas não tive tempo. Gostava que me desse uma conclusão das recentes pesquisas,é só por isso. Há mais locais com a mesma informação,mas basta só um link.

    http://www.ancient-origins.net/news-evolution-human-origins/initial-dna-analysis-paracas-elongated-skull-released-incredible

    Bom fim de semana...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Earliest human footprints outside Africa discovered in NORFOLK: 800,000-year-old imprints 're-write our understanding of history'


      http://www.thisismoney.co.uk/sciencetech/article-2553798/Earliest-human-footprints-outside-Africa-discovered-NORFOLK-800-000-year-old-imprints-shed-light-movement-ancient-ancestors.html?ITO=1490&ns_mchannel=rss&ns_campaign=1490

      Eliminar
    2. Caro Paulo

      Nada de transcendente! O Antigo Continente de Mu!
      O continente de Mu, no Pacífico, estendia-se da Indonésia à Ilha de Páscoa, e óbviamente influenciou a Região Andina.
      Mu explica Yonaguni no Japão, os Moais da Ilha de Páscoa, as Construções Megalíticas Anti-Sismicas no Perú, e os Crâneos Dolicocéfalos de Paracas, e não só...
      Aliás o ADN, das Múmias de Sican, do Vale de Lambayeque no Norte do Perú, e os Ainos, Povo primitivo do Japão, que estava confinado à Região de Nagasaki, antes do extermínio norte-americano são semelhantes.

      Bom Fim de Semana

      Maria da Fonte

      Eliminar
    3. Paulo,
      esta informação da Maria da Fonte é importante relativamente a semelhanças encontradas em estruturas de pedra ao largo do Pacífico. Se a subida do nível do mar encobriu a parte atlântica, também encobriu a parte pacífica. Num caso fala-se em Atlântida, noutro em Mu, mas o problema aqui é sempre a datação e a extensão.

      Não é nada improvável terem existido diferentes tipos de "homens" sem ser neandertais ou sapiens, e há um registo de verdadeiros pigmeus na Indonésia - ilha de Flores - o José Manuel falou disso, p.ex. ver aqui:
      http://alvor-silves.blogspot.pt/2011/02/ultima-viagem-de-gulliver-liliput.html

      A diversidade a certa altura pode ter sido tão acentuada quanto é a diversidade da macacada.
      Tem macacos grandes, pequenos, médios, etc... podem ter dado hominídeos pigmeus, gigantes, etc... e por isso não me estranharia que houvesse raças diferentes, que eram praticamente espécies diferentes, aos olhos de hoje. Só que o São Bernardo e o Chihuahua, podem parecer espécies diferentes, mas são ainda assim cães, que a priori se podem reproduzir.

      A conversa de Brien Foerster já deu para 10 livros e pode dar para mais. Agora, o que são "análises de DNA" feitas por ele?
      Uma análise de DNA não se faz ali na esquina, e ainda que ele a encomendasse... os museus não faziam, mas davam-lhe os ossos para ele fazer?
      Há ilustrações do Séc. XIX que mostram como os índios faziam esse alongamento craniano. Era algo cultural, forçado, e como já disse, creio que se deveria à ideia de provocar alucinações... com vista a um contacto com "realidades alternativas". O resto parecem-me detalhes casuais.

      O que é importante, no sentido que aponta a Maria da Fonte, é que houve uma certa cultura global, e esse tipo de deformação aparece até no Egipto à época de Akenaton, ou nas ilustrações maias e incas. A elite procurava esse factor distintivo... há provas de que isso podia ser induzido por deformação craniana, e não vejo necessidade de considerar que se tratava de outra espécie ou raça. Não há nenhumas provas, nem evidências, nesse sentido.
      Mas não está excluído por completo, é claro.

      Eliminar
  5. Boa noite!

    Pensei que tivesse colocado algo merece-se a pena...por vezes uma frase,de um novo artigo,faz toda a diferença. Continuo a ser ignorado sobre "eles" terem cá andado,na superfície,com provas físicas,entre 12.500 anos e 6.500 anos. Parece que andaram até mais tarde em algumas partes do globo,há 5.000 anos. Há vários relatos que os Deuses desceram a terra,mostraram-se, em varias partes.Tudo o que falou das drogas e antigas rotas de trafico são verdade mas há mais... Fico-me com a minha teoria e sei que tem sentido! Se puder ir ao outro seu blog escrevi outra teoria...desculpe


    Boa semana.

    ResponderEliminar
  6. Dinosaurs Revealed - A collection of evidences of their existence in recent History

    http://www.youtube.com/watch?v=cXfvnv7SBTk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado.
      O vídeo vai exactamente na linha que tinhamos mencionado - é muito natural que os dinossauros tenham chegado até épocas recentes, especialmente na América e Austrália.

      Eliminar
    2. Caro da Maia

      E na Atlântida! Caro Da Maia!
      Esqueceu-se dos Dinossauros da Atlântida!
      Mas a verdade é que na Atlântida, de clima subtropical, quase não ficou pedra sobre pedra...

      Caro Paulo Cruz

      Já experientou vêr a questão sob outro prisma?
      Ou seja:
      Existiram na Terra, Civilizações hoje extintas, de tal modo diferenciadas, que viajavam no Espaço/Tempo.
      Eles viajavam! Nós não viajamos!
      O, ou os, cataclismos que as destruíram, foram de tal magnitude, que foi impossível recomeçar do ponto de partida.
      O recomeço foi quase do zero.
      Ainda assim, foram guardados, Mapas, Planos, Conhecimento.
      Só que a existência desse espólio, ficou "no segredo dos deuses".
      E é por isso, que a actual Civilização está decadente, sem nunca ter atingido o explendor.

      Abraços

      Maria da Fonte

      Eliminar
    3. Creio que a Maria da Fonte tocou no ponto fulcral.
      Se nos colocarmos no passado, este presente seria um dos infinitos futuros possíveis.
      Na perspectiva nihilista, tudo seria igualmente possível... já que tudo parece igualmente arbitrário - só que não é.
      Não se pode ir buscar informação ao futuro sem estar alicerçada no passado.
      Essa é a alegoria da gravidade - que nos foi imposta.
      Não se pode fazer uma casa começando pelo tecto, mas podemos ter a ideia do tecto.
      O alicerce é o passado... a pirâmide é essa construção sustentada!
      O futuro pode ser um sonho, mas nunca pode ser realidade... no mundo em que estamos não há lugar a contradições. É único. Não se pode ser e não ser ao mesmo tempo. Nem tudo é igualmente possível. Por isso, o nosso caminho é sustentado trabalho de baixo para cima, e não um qualquer presente de cima para baixo.
      Como disse no seu outro comentário, são os céus que têm que descer à Terra... por Toutatis!
      A "inspiração" comprada a futuros eclipsados está contaminada pelas razões do colapso, e assim é preciso pôr reticências à inspiração de aparentes "esplendores". Afinal não se realizaram os previstos colapsos pelos arautos que tinham visões "fora de tempo", nomeadamente primeiro para 1999-2001, corrigida depois para 2010-2012... e agora parece que ficaram sem novos "fins do mundo" anunciados. É complicado quando se tem mais de 5 biliões de almas sintonizadas com este mundo... enquanto os outros são resquícios de sonhos pessoais afundados num futuro sem futuro.
      Cada vez ficará mais evidente às almas penadas que são elas que têm que largar as penas e descer à terra, como inocentes crianças, até que se dê um regresso à memória - e todo o passado não seja mais do que uma boa ou má memória.

      Abraço.

      Eliminar
    4. Boa noite.

      Cara Maria da Fonte,esqueci-me de lhe dizer que a sua visão é vem vista e para mim também faz todo o sentido de também ser verdade.

      Obrigado e desculpe.

      Eliminar
  7. Caro Paulo

    Sobre o estudo de ADN, dos crâneos dolicocéfalos de Paracas, o que se concluíu foi que o ADN Mitocondrial, tem mutações desconhecidas até hoje.
    Quer dizer, são mutações que não existem nem nos Sápiens, nem nos Neanderthal, nem nos Denisovans. Mas podem ser de outra Raça.

    Três Civilizações desapareceram há milénios. Os Crâneos de Paracas podem ser dos Antigos Habitantes de Mu, por exemplo.

    No que respeita a Akhenaton, o seu Haplogrupo é R1b, o Haplogrupo do Sudoeste da Europa.
    Ora no ADN dos Europeus, existe pelo menos 5% de ADN Neanderthal, que saiba...
    Mas Nefertiti, que tinha o crâneo Dolicocéfalo, era Hitita. Ora sobre os Hititas, não sabemos muito, pois não?!

    Abraço

    Maria da Fonte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que pode ser isso mesmo, Maria da Fonte... pode ter existido essa variação do aspecto humano, com base na civilização desaparecida pelo aumento de águas - pode ter sido Mu, pelo lado submerso da plataforma indonésia que ia de Java ao Japão. Outra hipótese, ou até a mesma, é que pelo lado Atlântico seria a Atlântida - enquanto extensão continental americana. Esta seria grande na zona das Caraíbas, e há mitos entre os índios brasileiros que falam desse continente Caribe perdido (notar aqui a referência ao sufixo "Car" que Schwennhagen remetia ao mago místico Car.

      Eliminar
  8. Bom dia!


    Esses cranios foram encontrados no local a onde mencionou no Egipto(foram encobertos do publico) em Malta e na Sumeria. Na Sumeria utilizam chapeus ou algo assim do genero. Na India também,os Deuses Adityas , Daityas e Danavas - gigante com aparência humana,estão relatados esses de barba(como os Deuses Sumerios) e tinham o cabelo ruibo(com foram encontrados em Paracas).

    India:http://earthbeforeflood.com/adityas_daityas_and_danavas.html
    Malta:http://www.ancient-origins.net/ancient-places-europe/hypogeum-hal-saflieni-and-unknown-race-elongated-skulls-001190
    Egipto:http://efeito.exillis.com.br/2011/01/relacao-dos-cranios-alongados-com-o.html

    http://imensidao-oculta.blogspot.pt/2010/09/cranios-alongados-ao-redor-do-mundo.html
    Diz o seguinte:
    (Quando ainda vamos mais além, chegamos ao Egito Antigo. Apenas para relembrar um pouco, muito antes dos faraós, muito antes das pirâmides, a história egípcia conta de uma época, o começo dos tempos. Diz a lenda que essa época foi marcada pelo momento em que os deuses desceram dos céus em bolas voadoras. E de acordo com os textos antigos, ele seria Neteru, um deus que veio do Cosmo, e junto a ele vieram outros deuses das estrelas, como Íris e Ísis, mais precisamente da constelação de Orion, e da estrela Sírius. Dizem que os deuses das estrelas nasceram dali. E o interessante é que as estrelas que vemos nos céus foram realmente nascidas dali, um berço de estrelas. Ou seja, a religião egípcia acredita sem dúvidas que seu princípio são as estrelas.).

    Continuo a achar que eles estão cá...a ida a Lua e o porque de eles terem levado o ramo(em ouro)de oliveira,a placa de paz com as bandeiras de 74 paises(salvo erro).

    http://www.ancient-code.com/nasas-secrets-moon-and-beyond/

    Há muitas semanas atras falei de um filme dos Anunnakis,o que aconteceu ao filme anunnaki?Foi literalmente barrido.

    https://www.google.com/search?q=o+que+aconteceu+ao+filme+anunnaki&oq=o+que+aconteceu+ao+filme+anunnaki&sourceid=chrome&espv=210&es_sm=122&ie=UTF-8

    A Lua é artificial e não é natural a forma como ela roda em torno do planeta. Há mais luas artificiais no sistema solar?Uma das Luas de Júpiter(Ganimedes). Cercada de mistério e interesses, esta lua parece ter um magnetismo muito forte que está atraindo a Agência Espacial Norte Americana( NASA), a Agência Espacial Russa (Roscosmos) e também a Agência Espacial Européia ( ESA). Em 1980 o SETI e a NASA “teriam” captados sinais de rádio com origem na região de Júpiter...

    Sound of space. Sound from Jupiters Moon Ganymede
    http://www.youtube.com/watch?v=6PPEwGJy6PI&feature=youtu.be

    Largest Solar System Moon Detailed in Geologic Map: Rotating Globe of Ganymede Geology [HD]
    http://www.youtube.com/watch?v=7wSdIHm2hxQ&feature=youtu.be

    Eu continuo a achar que vivemos(os penultimos vieram noutra lua)se misturaram com os que estavam cá dando a ilusão que os que cá andavam foram extintos.

    Muito obrigado.

    ResponderEliminar

  9. Leiam,por favor e vejam o video.

    http://cassini.physics.uiowa.edu/space-audio/cassini/SKR2/

    http://www.youtube.com/watch?v=ZWsmX_-z0pY

    http://evoluindo-sempre.blogspot.pt/2010/12/mensagem-alienigena-e-finalmente.html


    Nós não estamos sos no sistema solar, a Nasa sabe-o.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo, como habitual, eu vou aqui fazer o papel crítico, notando alguns problemas dessas interpretações de dados.
      Dado um conjunto de dados, você pode interpretá-los das mais diversas maneiras.
      Essa é uma das riquezas humanas, e nada prende a imaginação. Algo diferente é haver muitas conexões que limitam a interpretação, tornando-a objectiva.
      Dos sinais recebidos de Ganimedes, podem fazer-se um sem número de coisas - até quadros!

      Vou ser mais claro... à partida você não espera nada especial dos dígitos do número Pi.
      No entanto, há quem tenha pegado na sequência e tenha feito uma peça musical:
      http://www.youtube.com/watch?v=4jY_JlvRWAk
      Agora, esta música é enviada pelo Pi? Certamente que não é por aliens.... (talvez fosse pelo bebé que se ouve em fundo)
      Para quem duvida da interpretação musical do sujeito, tem uma versão ao gosto de cada um (mas sem tempo, o que se torna massacrante):
      http://avoision.com/experiments/pi10k

      De forma análoga, há quem tenha traduzido os dígitos de Pi em palavras:
      http://www.cadaeic.net/picode.htm
      e chega à conclusão - por exemplo - que a primeira palavra em inglês com 6 letras que aparece é Oxygen...

      Como os dígitos do número Pi aparecem de forma (aparentemente) aleatória, potencialmente tudo o que alguma vez foi escrito está escrito no Pi...

      Isto só para dizer que há coisas estranhas, há muita gente e muitas interpretações, umas mais interessantes que outras.
      Por um lado o pessoal que inventa essas relações sabe muito pouco de relações e por isso fica surpreendido com qualquer coisa... ou gosta de surpreender os outros com isso.

      Já agora, e por falar em relações... a página das letras do Pi, diz que a primeira palavra com duas letras é "LO".
      Olhando para a sequência que lá está, vê-se claramente que segue com outro L, ou seja está lá "LOL".
      Isto mostra claramente que em 1999 não se usava a expressão "LOL"...
      LOL é coisa recente, creio que apareceu depois de 2001 como uma piada de mau gosto, porque em minúsculas "lol" representa duas torres. Muita piada, não?

      Eliminar
    2. caro Paulo

      Longe de mim, pensar que somos únicos num Universo imenso.
      É evidente que existem outros, espalhados pelas Galáxias. Mas daí até concluírmos que existimos porque eles existem, vai uma enorme distância.

      Repare, que primeiro impingiram-nos aquela ideia peregrina, de que descendiamos dos Macacos, que sabe-se lá como e quando, tinham perdido um par de cromossomas, e ganho com isso, uma coisa chamada inteligência.
      Inteligência essa, que lhes permitia partir pedras, bate-las umas nas outras, e fabricar pontas de setas, com as quais se teriam tornado caçadores/comedores.

      Enfim, não será lá grande coisa...
      Mas passados uns tempos lá teríamos batido as pedras com mais força, e feito faísca.
      E fora a descoberta do fogo!

      A ideia, é à partida estúpida, porque não só, os cromossomas não se perdem, como a perderem-se não se recuperam.
      Pelo que os macacos estariam extintos.
      E as criaturas da idade da pedra, dificilmente desenvolveriam conexões neurológicas, que lhes permitíssem, ir muito mais além da fogueira à entrada da caverna.

      Pelo que jamais teríam construído o que quer que fosse, muito menos inventado a tecnologia necessária para erguer tudo o que por aí abunda, de construções Megalíticas, incluindo as famosas e controversas Pirâmides do Planato de Gizé.

      Ora estando o conhecimento das Civilizações do Passado, e da sua Tecnologia, no domínio dos que se dizem deuses; isto porque conhecimento é Poder; havia que manter as massas, na perpétua ignorância, com a idiotice do Elo Perdido, e demais fantasias.

      Só que as massas são críticas. E com a partilha de informações, conectaram dados, somaram 2+2, e perceberam o logro milenar, em que se têm afundado.

      O que não é nada bom para as divinas carreiras, dos deuses de cabeça de barro, que começara a temer pelo seu pedestal.
      E é assim, que surgem súbitamente, os Annunakis das Pléiades, os Reptilíneos de Orion, etc., para cima de quem se atira a culpa, da Terra ter sido transformada num Inferno.

      O costume! A culpa nunca é nossa! É sempre dos outros.
      E com isso, desvia-se a atenção da realidade, que é a existência de um Passado, altamente diferenciado, que nos foi intencionalente ocultado, para que uns quantos, escravizem a maioria.

      Não lhe parece estranho, que subitamente haja uma inundação de Ets?
      Eu acho!
      E quando até o Vaticano começa a falar disso, eu além de achar estranho, desconfio....e muito!

      Os que se julgam deuses, são Terráquios como nós. Mas porque a inteligência foi canalizada para uma ganância desmedida, passam por cima de tudo e de todos, até conseguirem os fins.
      ,
      Caro Paulo, nós não descendemos de macacos. Somos diferenciados desde o início.
      E temos ancestrais fabulosos, que temos que reeencontrar.
      Porque se nos perdermos no labirinto da aranhas auréolares, continuaremos pelos séculos fóra, sob o domínio de falsos deuses.

      Que só existem, porque nós ainda não temos a plena consciência do que somos. E do que eles não valem.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    3. É engraçado, porque mais facilmente é questionável a existência de outras galáxias ou até de outras estrelas semelhantes ao Sol... não esquecer que até hoje não se observou directamente nenhum disco solar de nenhuma estrela. Temos apenas pontos de luz... Costumava brincar com astrofísicos acerca disto, dizendo que todas as estrelas eram pontinhos, excepto o Sol - e efectivamente as provas contrárias não são assim tão claras.
      As pessoas habituam-se ao modelo, e a certa altura esquecem-se que é só um modelo. Ainda assim, penso que essencialmente é o melhor modelo, dado o que sei... mas tem muita, mesmo muita especulação pelo meio - nomeadamente todo o folclore de buracos negros, big-bangs, relatividade, matéria negra, etc.

      Quanto à evolução, não vejo como seja possível negar que somos primatas, como tal não vejo grande diferença na ligação a um lemure primitivo (mito de Madagascar) ou de um macaco. Do ponto vista físico, as nossas semelhanças com os grandes primatas, são demasiado notórias para serem ignoradas:
      http://img.tavi.ws/JJ/image_upload/129d78e44dc7_B19E/naked-monkey.jpg

      Na realidade, estou convencido que houve duas segregações que levaram ao ponto onde estamos:
      1) Segregação pela ausência de pêlo... que se mostrou útil em termos aquáticos.
      2) Segregação pela cor da pele (os albinos eram rejeitados).
      Convém ainda notar que os exploradores do Séc. XVIII, ainda meio surpresos com a diversidade humana, atribuíram erradamente a certos macacos um estatuto algo humano... e colocavam mesmo a questão da tradução de linguagem, como faziam com qualquer outra tribo mais primitiva.

      Ainda sob a perspectiva meramente física, as conexões cerebrais que se podem encontrar vão ser tão complicadas no homem como no macaco... porque a distinção não se faz aqui, neste espaço físico. Aliás, houve uma histeria com "redes neuronais", que começou com muito entusiasmo pensando que iria obter algo de "inteligente", e até hoje esse mimetismo não levou a nada de "inteligente"... algo que aliás seria impossível, conforme já referi algumas vezes. O que se consegue mimetizar são reacções animais básicas, e nem sequer houve grandes progressos ao nível da visão e do reconhecimento de formas, por essa via.

      Sejamos claros, o nosso DNA não se esgota nos 46 cromossomas... e perder ou ganhar um cromossoma nada tem a ver com o assunto, basta ver a lista:
      http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_organisms_by_chromosome_count

      O nosso DNA tem é um rabinho (que não é de macaco) e sai destas dimensões físicas.
      Aqui é limitado, mas não é limitado a deste espaço 3D... vai por níveis acima, e quanto mais níveis sobe, mais sobe na percepção de relações.
      Acontece que essa evolução não é genética - herdada de pai ou mãe, isso é só o ponto de partida. Esse caminho "mais além" é obtido pela disposição a fazer relações acima do habitual.
      Do ponto de vista orgânico, o cérebro apresentará movimentações descontínuas e imprevisíveis dentro deste espaço... mas não o serão noutros.
      Há quem veja isso, em dimensões superiores? Muito provavelmente sim... mas o facto de estarmos cegos a essas dimensões superiores não faz de nós mais estúpidos, isso seria aliás um desconsiderar das capacidades abstractas dos cegos.

      Abraços.

      Eliminar
    4. Caro Da Maia

      Quanto a Croossomas, não é um. É um par.
      O que faz toda a diferênça.
      Aliás o problema persiste. Se somos o mais recente Elo na evolução dos Macacos...Os Macacos estão extintos!
      Com ou sem exploradores do século XVIII... os Macacos estão extintos!
      Quanto a Primatas. é apenas uma classificação, inventada por espíritos contabilisticos, que não sobrevivem sem arquivarem tudo o que os rodeia!
      Pelo que, é altamente deficitária, como a mentalidade de quem a inventou, que aliás, e tipicamente, só viu o que quis vêr.
      Neste caso:
      O aspecto físico!
      Quanto à distinção, faz-se sim, neste Espaço/Tempo.
      Outros haverá...

      Talvez.... Talvez....

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    5. Cara Maria da Fonte,
      se clicar no link da lista dos cromossomas por animal, verá que não há nenhuma relação evolutiva com o nº de cromossomas, na melhor das hipóteses dá indicação sobre o nº de variações possíveis na reprodução. Aliás os macacos Rhesus têm 42, o coelho tem 44, nós 46, e o chimpanzé 48. O número é sempre par - pois vem de pai e mãe.
      O antepassado comum tanto poderia ter 46 como 48, ou outro valor...
      Desse antepassado comum, pelo lado dos chimpanzés ficaram os conservadores que permaneceram em África a comer bananas... pelo lado humano, tem muito provavelmente os hominídeos proscritos que tiveram que fazer pela vida. A evolução dá-se mais pelo lado condicionado que se tem que adaptar...
      Ora, esse antepassado comum nem seria chimpanzé nem homem... seria mais vago, permitindo ambas as variantes.
      Da mesma forma hoje tem a possibilidade de cruzamento entre raças, mas se não tivesse, cada uma das raças ficaria diferente.
      Fazia sentido procurar o elo comum dessas raças? Procurar um modelo de homem que fosse antecessor de todas as raças humanas?

      A questão é simplesmente mais confusa, a certa altura era possível o cruzamento entre os diversos hominídeos, nenhum dos quais seria igual ao actual, mas seriam parecidos com misturas destes. Quando as raças se apuraram, passaram a espécies sem possibilidade de cruzamento, e cada um dos níveis apurou-se na diferença.
      Foi sempre assim, nem podia ser doutra forma... a menos que não se aceite a evolução.
      Mas só quem recusa ver a formação do feto é que pode achar que não há uma evolução exactamente igual até certo ponto, imitando a evolução natural. E sim, é muito parecida entre macacos e humanos, nos primeiros meses. Aliás, nas primeiras semanas, nem distingue bem o feto de um peixe de um feto humano:
      http://odemaia.blogspot.pt/2013/07/ovo-evo-e-eva.html

      Agora evolução significa apenas antepassados comuns, não significa que uns estejam ultrapassados relativamente aos outros... os macacos continuam bem viáveis, e pela conflitualidade humana até podem sobreviver a eles.

      Querer encontrar numa sequência DNA, ou noutro aspecto biológico, a chave para a inteligência humana é simplesmente impossível.
      É uma questão matemática simples... os humanos concebem o infinito, e tal capacidade nunca poderia estar inscrita numa cadeia finita de genes.
      O que pode ter é um "gene de infinito" que abre a portinhola para essa dimensão, tudo o resto é uma falácia completa, que entra em contradição matemática imediata.

      Essa sim, poderia ser a chave da distinção... mas mesmo assim, não creio que seja tão simples. É mais complicado, porque os próprios animais têm comportamentos que não são explicáveis dentro das nossas dimensões. Não há nenhumas leis físicas que determinem o funcionamento do cérebro, mesmo o dos animais mais complicados.

      Abraços.

      Eliminar
    6. Caro Da Maia

      Sabe o que acho verdadeiramente espantoso, é que o Da Maia, que tem feito excelentes pesquizas sobre o Passado, seja tão conservador em relação ao Maçon Darwin.

      Será que ainda não viu que o Darwinismo, visa esconder a realidade?

      Por mim, o Da Maia pode juntar-se ao cortejo, que anda por aí à procura do tal Elo Perdido, mas desde já lhe digo, que perde o seu tempo.

      Como já lhe disse, os Cromossomas não são coisa que se perca.
      Sofrem sim Mutações, o que é totalmente diferente. Até pode haver e há, casos em que existe uma duplicação de um cromossoma, passando a existir em vez de um par, dois mais um.
      Mas estas Cromossomopatias, não conduzem a nenhuma evolução ou involução dos Humanos. Conduzem sim, a graves perturbações do indivíduo afectado.
      O normal nos Humanos é 46 XX, ou 46 XY, No Síndrome de Down, por exemplo é 47 XX +21, se for do sexo feminino. Significa que está afectado o Cromossoma 21.

      Cruzamentos entre Homnídeos, houve seguramente, daí a diversidade.

      Há pouco, já descobriram mais dois. São os Homnídeos da Geórgia.
      Desta vez, foram dois, de uma só vez.

      Monstros...terá havido, pontualmente...

      Mas nada disto alterou a dita Espécie.

      E só mais um pormenor.
      Quanto à Inteligência, codificada ou não...não existem impossíveis!

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    7. Cara Maria da Fonte,
      a evolução nada tem a ver com Darwin... basta ver que Lamarck apresentara uma teoria evolucionista 50 anos antes, e a própria "teoria de Darwin" foi apresentada por outros antes dele. A família Darwin era influente na pedreirada, sim.

      Confundir evolucionismo com darwinismo tem dado jeito, mas o darwinismo é um evolucionismo nihilista - ou seja, procura que não haja nenhum nexo tirando a premissa de La Palice que "sobreviviam os mais aptos".

      Ora, minha cara Maria da Fonte, está de novo em curso a propaganda do nihilismo, por via de utilitarismos, hedonismos, etc...
      Visa desorientar as pessoas, tirando referências de certeza, querendo que tudo seja possível e indiferentemente válido.
      Por isso, deixe-me dizer-lhe que a sua última frase "não existem impossíveis" é uma frase típica do nihilismo.
      Há impossíveis sim.
      Só não há impossíveis nas alucinações, em que tudo é possível, p.ex. no mundo das drogarias.

      É fácil misturar tudo no mesmo tacho, e aí o darwinismo é uma bela maneira de invalidar a ideia de evolução, que é inegável.
      Não há nenhum Elo Perdido, lá está... isso só faz sentido no darwinismo, que baseia a sua ideia nos fósseis.
      A principal prova da evolução não está nos fósseis, está na evolução do feto!
      - Não se pode negar essa evolução do feto, simula exactamente a evolução dos organismos. Negar isso, só fechando os olhos, mesmo.

      Abraço.

      Eliminar
    8. Caro Da Maia

      A tendência dos seres para um melhoramento constante rumo à perfeição, e a implicação do uso/desuso de um orgão, no seu desenvolviento versus atrofia.

      Acredita mesmo?
      Eu não!

      Primeiro, porque não vejo qualquer melhoramento rumo à perfeição.
      Pelo contrário! A humanidade está em regressão intelectual.
      E essa regressão,intelectual, não se manifesta na diminuição da massa encefálica e consequentemente do crâneo; que deveria já ser microcéfalo, em muitos indivíduos que por aqui pontificam, e nos atormentam a existência.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    9. Creio que a natureza não nos passou diplomas para atestar o que é "perfeição", cara Maria da Fonte.
      E também não vejo por que razão haveria de ser melhor ter certas capacidades... como por exemplo, ter maior cérebro.
      Claramente que essa possibilidade existiu, desde há muito, e se a natureza não criou bicharocos com grande cérebro é porque não adianta nada à festa.

      Há quem queira uma evolução constante, querendo sempre mais, mais e mais... Mais uma vez são ideias zero do nihilismo. O plural de "mal" é mesmo "mais" e não "males".

      Porém, eu não tenho nenhuma pretensão de convencer ninguém que chegámos "ao fim da linha"... já não há mais nenhuma evolução necessária.
      Já escrevi isso várias vezes, e de várias formas.
      Não é possível, nem interessa, ter mais capacidades... tudo o resto são alucinações das drogarias.
      Mas quem quer o conhecimento todo para amanhã, por mim está à vontade.
      Limito-me a perguntar quais são os planos para depois de amanhã...

      Abraço.

      Eliminar
    10. Re: “Limito-me a perguntar quais são os planos para depois de amanhã...”

      Sobreviver à 3ª guerra mundial (a ultima foi antes duns jogos olímpicos, curioso).
      É sabido que o cérebro humano está em regressão, desilusão para quem já se via em semideus num futuro próximo, inconsciente, pois a vanidade da espécie nem precisava das drogarias para tal. Sempre se tomaram por Deuses e detentores de verdades absolutas. Espécie inviável em vias de extinção a do homem (Sodoma e Gomorra, a ver se a estória do Mar Morto se repete) boa sorte para os ratos que os substituirão (de cano, bípedes ou quadrúpedes)

      Boas leituras, cumprimentos, José Manuel CH-GE

      Eliminar
  10. Boa noite.



    A cara Maria da Fonte tem toda a razão ao mostrar todas essas evidencias. Durante vários anos segui uma religião em que Deus revelava a palavra e pela fé os que a liam começavam a exortar a linha do que lhes era revelado. Por dezenas de vezes havia algo que sabia o que pensava naquele momento,o que tinha feito antes de vir para lá e previa o meu amanhã. Hoje sei que não há Deus,há Deuses e alguma tecnologia para além da minha compreensão.É impossivel eles estarem longe de nós e só podem estar num local,no que nos rodeia 24 horas por dia. Podem haver duas fracções que se dividiram,como o relatado nas lendas. Uma delas vive no nosso subsolo e não tem tecnologia, esta privada dela e precisam da alcançar atravês dos Deuses daqui da Terra. Os nossos ancestrais não deviam ser melhores que nós para haverem guerras entre eles,como relatado nas lendas... Os Deuses pusseram fim a isso exterminando quase tudo e todos. Os EUA andam na Antarctica a fazer o quê a caçar gambuzinos?Gostaria que lessem o que esta neste sitio...

    http://www.verdademundial.org/2013/08/antartida-misterios-sob-o-manto-gelado.html
    http://www.dominiosfantasticos.com.br/id647.htm
    https://www.youtube.com/watch?v=NKBl8okD4SU

    Será que estes objectos são reais?
    http://www.youtube.com/watch?v=IsgOzwbxEC8&list





    ResponderEliminar
  11. O titulo.

    Lendas urbanas ou Mundos em colisão?

    Julio Verne foi um maçom ilustre e sabia o segredo da Terra oca e nos contou uma realidade tão apavorante e constrangedora que se tornou “ficção” para os desavisados, mas hoje ligando os pontinhos tudo se encaixa…

    Os Tehuelches

    O povo Tehuelche têm uma história de mais de 14.500 anos, também chamados de patagões ou patagônios, foi identificada por exploradores europeus como uma raça de gigantes na América do Sul.

    A primeira menção a esse povo veio da viagem de Fernão de Magalhães e sua tripulação, que alegou tê-los visto ao explorar a costa da América do Sul a caminho de sua circum-navegação do mundo em 1520.

    Antonio Pigafetta um dos os poucos sobreviventes da expedição e o cronista da expedição de Magalhães, escreveu em seu relato sobre seu encontro com os nativos com o dobro da altura de uma pessoa normal: Eles foram encontrados em uma área entre os rios Chubut, Negro e Limay

    “Um dia, de repente viu um homem nu, de estatura gigantesca, na margem do porto, dançando, cantando, e jogando terra sobre a cabeça. O comandante-geral [ou seja, de Magalhães] enviou um de nossos homens até o gigante, para que ele pudesse executar as mesmas ações como um sinal de paz. Tendo feito isso, o homem levou o gigante para uma ilhota onde o capitão-general estava esperando. Ele era tão alto que nós só atingíamos a sua cintura, e ele era bem proporcionado”

    “Quando o gigante de frente ao capitão-geral e da nossa presença, ele maravilhou-se, e fez sinais com um dedo levantado para cima, acreditando que tinha vindo do céu”

    Tehuelches acreditavam em um ser supremo, que viveu no norte e chamou-lheTukutzual e habitam o sul, Kooch. Segundo a tradição, como todos os povos nômades, compartilhavam a crença em El al, herói civilizador que condenou a primeira geração de homens para ser peixe, por terem violado um tabu sexual. Tehuelches foram proibidos de comerem peixe porque estariam comendo seus ancestrais.

    Arqueólogos mexicanos descobriram um labirinto de templos de pedra em cavernas subterrâneas, alguns submersos em água e contendo ossos humanos, que os maias antigos acreditavam ser um portal onde as almas mortas entraram para o submundo.

    Pesquisadores descobriram as ruínas de pedra deonze templos sagrados e o que poderiam ser os restos de sacrifícios humanos no local, na Península de Yucatán, México. Essas cavernas se comunicam através das Américas. No Peru os túneis acabam na selva amazônica.

    Existem também mais de 200 cidades subterrâneas na Capadócia, que mostram apenas o primeiro andar, há centenas mais que não temos acesso.

    Antigos dizem que os Incas dos Manco Capacrelataram que vieram de cavernas subterrâneas. Indígenas do mundo todo relatam que existem outras cidades intraterrestrial como:

    Shambhala e Agartha na Ásia,

    Telos no Monte Shasta,

    Posid, Atlantic City, em Mato Grosso no Brasil,

    Shonse, Colônia,

    Lemuriana na Himalaia,

    Índia Raipur Branch,

    China-Mongólia Shingwa e

    Monte Lassen, na Califórnia.

    Na Sibéria, no sul do Uruguai - los Big Blade

    Mammoth Cave em Kentaky

    Manaus e Cataratas do Iguaçu, no Brasil

    Monte Epomeo, na Itália

    Cueva de los Tayos, no Equador

    Esfige de Gizé, Egito

    Gruta da Paz, no Equador

    Cordilheira de Yvytu Turusu, no Paraguai

    Guagapo Grotto, no Peru

    Tula no Rio Paraná até a capital Argentina.

    leiam o resto em:

    http://clovismoliveira.wordpress.com/2012/11/26/lendas-urbanas-ou-mundos-em-colisao/



    Caro Alvor peço desculpa de algo

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo

      Apenas duas perguntas.
      Quem escreve a História, Deuses ou Homens?

      É esse relato completamente despojado de qualquer interesse, visando apenas a transissão do conhecimento, que se tem, ou se julga ter?
      Ou é ao invés, escrita com propósitos políticos?

      Entendendo-se aqui, o termo política, no sentido de dominação, seja física, seja intelectual.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    2. Deve lêr-se:

      No 1º texto
      ...Cromossomas....

      No 2º texto
      ....escrito com propósitos políticos...

      Eliminar
    3. Boa noite!

      Cara Maria da Fonte,tem toda a razão,são os seres humanos que escrevem a historia. Eu só deixei os mundos intraterrestres(entradas para eles)para ver a quantidade de locais que alguém afirma que os há. Os mitos são muitas das vezes,se não,a maioria das vezes pura verdade. Troia,Atlantida,Mu,etc são mitos que acabam por vir a ser verdade.

      Um abraço.

      Eliminar
    4. Caro Paulo

      Mas é evidente que existiu a Atlântida, e o seu último reducto, foi a Ilha de Posseidon, que subergiu há cerca de 12 5000 anos.
      E existiu Tróia, fundada por um Rei Atlante.

      E existiu o Continente de Mu, no Pacífico.
      Tem a prová-lo Younaguni, a Ilha de Páscoa, Nan Madol e aquela mistura espantosa de influências, que se chama Região Andina
      .
      E existiu a Lemúria, no Índico, de que fazia parte Madagáscar.

      E olhe, de Shamballa até encontrei registos de Reis, e de Djarmarájas.
      Pelo que é suposto que tenha existido, ou exista ainda.

      Da Atlântida, até encontrei um Nilus, o Antedilúviano, da Mauritânea.
      E o que é curioso, é que este Nilus, já me apareceu de novo, noutas fontes.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
    5. Essa procura do Nilo "Atlante" - ou seja do Nilo que desaguava no Atlântico fez parte das primeiras explorações portuguesas que o identificaram ao rio Senegal (Canágua) e depois ao Niger. Havia o registo mítico de um braço do Nilo que passaria pelo Atlas. Porém essas crenças sobre o Nilo não se vieram a confirmar... talvez reportassem a outros tempos, com efeito.

      Eliminar
    6. Caro Da Maia

      Foi o Da Maia, quem referiu a Teoria de Lamarck, não fui eu. O "Rumo à Perfeição", é dele não é meu.
      Eu só contestei os pressupostos, nada mais!
      Isto, porque em perfeições, não acredito! E em evoluções, só acredito nas pessoais, e sempre à custa de muito estudo e trabalho.

      Caro José Manuel

      Não se preocupe muito com a 3ª Guerra.
      Os da NWO, já vão no plano B. Coisa requentada e feita à pressa, numa espécie de reencarnação da falsa Guerra Fria.
      O Plano A era Israel e o Ocidente versus Irão, que falhou...com imensa piada diga-se!

      Espero que este plano B, tenha o mesmo destino....o caixote do lixo!

      Aliás, apesar dos pesares, a maioria já percebeu que se trata de mais uma falsa bandeira, pelo que se os trastes, levarem o plano adiante, terão contestação cerrada em toda a Europa.

      Quanto ao Nilo, assunto de longe, muito mais interessante, é curioso que tivesse existido um personagem com esse nome, no local que corresponde hoje à Mauritânia.

      Nilus, o Antedilúviano, seria segundo Diogenes de Laertius, o pai de Vulcano, que segundo os Egípcios, fora o criador da Filosofia.
      Segundo os cálculos, Vulcano teria vivido há cerca de 24 815 anos.
      Afinal Nilus terá sido o avô de Vulcano, e não o pai, que terá sido Ouadane.
      Mais curioso ainda, é o facto de todos serem naturais da Mauritânia, e de Ouadane ter nascido em Idjil, perto do Domo de Richat.....e de há alguns anos, ter sido vizualizado por fotografias de satélite, o Antigo Canyon do Nilo, que termina efectivamente no Atlântico.

      Agora, pergunto:
      Em que registos se terão baseado os nossos exploradores, para procurar o antigo braço do rio Nilo?
      Sabendo-se que a Biblioteca de Alexandria, foi destruída.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
  12. Bom dia!

    Andava por ai a pesquisar... a noticia não é nova mas o estudo é do ano passado!O estudo esta no fim de tudo.

    Pirâmides do Egito foram feitas com pedras ‘falsas’

    "Análise da composição química dos blocos de construção indica que eles foram feitos de vários pedaços de calcário ‘colados’.

    As pedras das pirâmides do Egito podem ter sido fabricadas a partir de pedras sintéticas coladas como asfalto, estimaram cientistas na revista francesa “Science et Vie”, que chegará às bancas na sexta-feira. A partir dos novos estudos, ganha força uma teoria já levantada diversas vezes.

    A composição das pedras das pirâmides é “bem mais complexa do que aquelas das pedras das pedreiras” de Toura e de Maadi, de onde teriam sido extraídos os elementos da pirâmide de Gizé. As pedras das pirâmides seriam geopolímeros, ressaltou a revista, citando os trabalhos de Gilles Hug, do Escritório Nacional de Estudos e de Pesquisas Aeroespaciais (Onera), e Michel Barsoum, da Universidade de Drexel, na Filadélfia (EUA).

    Segundo os exames de raios X realizados por esses especialistas, “alguns microconstituintes dessas pedras apresentam traços de uma reação química rápida que não permitiram uma cristalização natural (…), uma reação inexplicável se considerarmos pedras talhadas, mas perfeitamente compreensível se pensarmos que as pedras foram coladas como asfalto”, acrescentou.

    Diferentes técnicas de microscópio eletrônico mostraram que “os espectros de difração das pedras das pirâmides diferem nitidamente daqueles das pedras de pedreiras”, continuou a “Science et Vie”.

    Para um outro especialista, o químico Joseph Davidovits, que defende há 30 anos a tese do asfalto de geopolímero para a edificação dos túmulos dos faraós, blocos de calcário natural reconstituído teriam sido colados no local.

    Eles podem ter sido formados com “entre 93% e 97% de elementos de calcário natural e entre 3% e 7% de material de ligação”, como argila caolinítica, um silicoaluminato que se desagrega na água e ao qual teria sido adicionada cal apagada, explicou a revista.

    Um quarto cientista, o físico Guy Dumortier, das Faculdades Universitárias Notre-Dame de la Paix de Namur (Bélgica), também defendeu, na “Science et Vie”, a teoria da pedra aglomerada. De fato, ele detectou um teor bem mais elevado do que o natural de flúor, silício, magnésio e sódio.

    “Sem querer desagradar os egiptólogos, a utilização de geopolímero para a construção de pirâmides é mais verossímil”, assegurou."


    http://piramidal.net/2009/01/07/piramides-do-egito-foram-feitas-com-pedras-falsas-2/


    ...o estudo e um livro que encontrei.


    http://www.geopolymer.org/archaeology/pyramids/paleomagnetism-study-supports-pyramid-geopolymer-stone-2

    http://thongtinkhcn.vinhlong.gov.vn/junkbox/Tin+hoc/Lost+Discoveries.pdf


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo

      É curioso que tenha referido esta teoria.
      Há pouco tempo encontrei num site- "Mistérios Y Enigmas de la Arqueologia", umas gravuras de um Livro editado em Londres em 1802.
      São gravuras de Thomas Milton, sobre os desenhos originais de Luigi Mayer, que viajou pelo Egipto, registando em desenho, Lugares e Monumentos.
      Neste livro, é colocada a hipótese dos planos inferiores da Grande Pirâmide, terem sido escavados na rocha, e cobertos posteriormente de blocos de pedra.

      Abraço

      Maria da Fonte

      Eliminar
  13. http://www.messagetoeagle.com/cavescontinent.php#.UyoBEz_V-Bo
    http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5gLWHoB6Ea5E_-8cuCu7xXZvkv-WQ?hl=en

    ResponderEliminar
  14. Boas,

    Não li os comentários mas gostava de por aqui algo que está relacionado com o post. Aliás vem mesmo a calhar um comentário que apanhei por sorte de 5 Fev. ás 18.35m do caro Da Maia que diz:

    "Assim, já vi demasiadas pinturas rupestres com aspecto de dinossauros... nomeadamente no continente americano, e eu não excluiria que houvessem ainda grandes répteis (dinossauros) sobreviventes, quando os humanos chegaram... e até que se mantivessem presentes à altura dos descobrimentos."

    Acerca da hipótese de dinossauros terem coexistido com os humanos, achei este relato curioso. Tirado da História Trágico-Marítima de Bernardo Gomes De Brito, Naufrágio da Nau São Bento (edição do Círculo De leitores, pág. 55-56)

    “vimos da banda d’além sair uma alimária maior que cavalo debaixo de certas lapas, e de cor negra, ao que cá donde estávamos pareceu, a qual nas partes que mostrava fora de água, que foram cabeça e pescoço, e parte do lombo, nenhuma diferença tinha de camelo; e se o assim há marinho, certo que este o era; do qual quis escrever isto, porque em nenhuma parte de todo aquele caminho achámos despois outra alimária de tal feição.”

    Pode ter sido um bicho qualquer normalíssimo claro mas pelo relato deste naufrágio e de outros no livro, os portugueses tinham por esta altura (1554) um conhecimento razoável dos animais e dos seus nomes. Achei curiosa a descrição e a surpresa do narrador e sim a imaginação reportou-me instantaneamente para algo como o monstro de Loch Ness ehehe.

    Ab

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa informação.

      Ver ainda este mapa de 1539, onde encontramos diversos "monstros" reportados pelos marinheiros:
      http://www.cvltnation.com/wp-content/uploads/2014/07/carta_marina-med.jpeg

      ... e para além de umas dezenas de coisas que merecem atenção no mapa, noto duas na Islândia

      (i) Ursos polares (Vrsi Albi) na Islândia
      (ii) Cavernas na rocha (Criptoporticus)

      Ora, apesar de ver aí um urso polar numa caverna islandesa, é pretendido que os ursos polares não são nativos da Islândia:

      Polar bears are not native to Iceland, but have been known to drift across on ice from Greenland, Iceland Magazine points out

      http://www.bbc.com/news/blogs-news-from-elsewhere-36824156

      Ora, é claro que se os islandeses matam ursos polares "on sight", dificilmente podem ficar nativos... e compreende-se que os islandeses não queiram o perigo, mas o que pode ver-se é que regressam à Islândia, e portanto foram nativos.
      Faz-me lembrar a história dos pinguins do Árctico:
      http://alvor-silves.blogspot.pt/2012/11/grande-alca-e-outras-extincoes.html

      Houve demasiadas extinções de espécies animais, e compreende-se a razão para isso, mas por isso mesmo, não devemos ser ligeiros a excluir que espécies inteiras foram eliminadas apenas recentemente.

      (ii) Com isso fui parar às Cripto-caves islandesas, de que não fazia ideia.
      Aparentemente há (ou havia) muitas caves/criptas (fúnebres), que ainda se encontram com cruzes em relevo na rocha. Seriam artificiais, e anteriores à presença viking:
      http://www.ghosthuntingtheories.com/2015/01/giants-iceland.html

      Mais, acrescenta-se que uma ilha tem esferas perfeitamente redondas, como as existentes na Costa Rica:
      Interestingly, in an island up to the north of Iceland, it has never been inhabited by humans and yet there were numerous petrospheres found there only 900 km from the North Pole. Josef Franz Land Island is a very curious place.

      Acrescentando a isso o Maelstrom, o mítico remoinho noruguês... abordado pelo jesuíta Kirchner (na sua teoria geológica) - só desse mapa dá para tirar uma dezena de tópicos de conversa!

      Muita coisa... pouco tempo!

      Bom, mas isto apenas para dizer que nesse mapa, podemos ver "monstros" que não fogem dessa descrição "Loch Ness" que encontrou na História Trágico-Marítima. A forma como estão desenhadas baleias, orcas, e talvez elefantes marinhos, ou lulas gigantes é que é má...
      Mas o que se passava é que os desenhadores faziam o retrato "robot" com base no que ouviam dos marinheiros, e dificilmente seria muito exacto.

      Abç

      Eliminar
    2. Bom dia caro Da Maia,

      Ainda não tive tempo de pesquisar os links que enviou.
      Nesta descrição não se mete o problema do retrato robot. Foi escrita pelo próprio Manoel Mesquita Perestrello que se encontrava no naufrágio.

      Depois lembrei-me dos próprios "dragões" que pertencem ao folclore praticamente a nível mundial. De onde veio esta obsessão dos dragões e a própria caracterização do dragão? Afinal tão semelhante na Europa como na Ásia. Um dragão é quase um dinossauro em termos de aspecto. Se tivermos em conta que os gases libertos no hálito do Tiranssauro Rex eram suficientes para matar uma pessoa, com um pouco de imaginação podemos chegar às chamas cuspidas pelo dragão.

      Só uma associação de ideias.

      Ab

      Eliminar
    3. Sim, tenho a mesma opinião, e aliás nem é preciso assumir que estivessem vivos os bicharocos em questão, bastava encontrarem ossadas para ver o tipo de bicharoco que existia ou tinha existido.

      O resto de ossadas facilmente seriam encontrados em exploração mineira, em qualquer outra escavação, ou até de forma natural - aparecendo por via de chuvas, enxurradas, etc.

      As Pedras de Ica são especialmente importantes por fazerem notar que não é preciso haver contemporaneidade humana para se ilustrarem dinossauros. Pelas ossadas restantes não seria difícil pensar e ilustrar esses animais, o que é estranho, isso sim, é a ignorância permanente que durou milénios e foi partilhada nos legados de todas as civilizações humanas.

      Ou ainda, concordando consigo, por outras palavras:
      Afinal não seriam os dragões, que polvilharam o imaginário medieval, uma referência directa a essas ossadas ocultas?
      Afinal S. Jorge teria eliminado qual dragão?


      http://alvor-silves.blogspot.pt/2012/11/pedras-de-ica.html

      ... e certamente que não seremos, nem os primeiros, nem os últimos, a concluir a mesma coisa.

      Abç

      Eliminar