domingo, 14 de janeiro de 2018

(Ré)prova

Recebi um habitual email do Pinterest, neste caso sobre mapas, onde constava um link para o seguinte stock de fotos (Stockfresh):

Com o título 
"#2892078 Vintage compass lies on an ancient world map
[por cookelmaANDREY ARMYAGOV, MOSCOW, RUSSIA ]", 

não pude deixar de notar que se tratava do célebre mapa exposto no Museu da Marinha, e que a ele fizémos referência, nomeadamente no texto "Prova":
Aparentemente está aí colocado desde Abril de 2013, ou seja no mês anterior a esse texto. Não deixa de ser curioso ter como palavras chave "Vintage, bússola, mentiras, antigo mapa do mundo, natureza morta".

Acresce a esta foto parcial do mapa, uma total, noutra fotografia:

Basta comparar com o mapa original, que aqui colocámos em 2010, para vermos que tudo é igual, excepto os brasões portugueses (que parecem aqui ausentes ou apagados), e especialmente nota-se um carácter de mapa envelhecido, ao ponto de ter perdido a cor original.

As fotos são produções recentes, como é óbvio, mas a questão continua a colocar-se sobre o suposto "mapa vintage"... que segundo constava tinha sido produzido pelo pessoal do Museu da Marinha em 1970. Só que essa produção não lhe tinha colocado o ar envelhecido que aqui apresenta (o mesmo ar envelhecido, que também encontrámos no pedaço de mapa sobre a Austrália, no texto "Prova").

O problema é simples e persiste... um tal mapa não poderia ter sido realizado com as explorações declaradas antes do final do Séc. XIX. Há mapas bastante precisos dessa altura, que mesmo assim mantêm dúvidas sobre os territórios mais a norte - é Amundsen que vai fazer a passagem Noroeste. Ora, isso implicaria que o suposto "envelhecimento" teria sido fabricado... além disso, as múltiplas questões já abordadas antes, permaneceriam sem resposta.

Cada um tira as conclusões devidas, apenas aqui quis deixar esta informação, que me parece bastante relevante. Pode servir para explicar de onde saiu a imagem da Austrália, que tinha servido o texto "Prova", mas não acrescenta muito nem retira nada de especial, ao que foi dito antes.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

dos Comentários (33) - um mapa de Andrea Bianco

É bem conhecido, e até reconhecido, que antes da descoberta oficial da Madeira, Canárias e Açores, existiram mapas anteriores, portulanos, onde estas ilhas estavam bem identificadas. Alguns desses mapas eram italianos, outros da escola catalã das Baleares, etc.

Surge a este propósito um email de David Jorge acerca de um mapa de Andrea Bianco de 1448, que foi interpretado como tendo uma referência ao Brasil, e que entretanto verificámos ter sido essa opinião sustentada também no Séc. XIX por H. Yule Oldham... mas sem grande sucesso.

David Jorge colocou a questão da seguinte forma:
Reportando-me a um "capitulo" interessante na história da descoberta do Brasil, a certa altura e sobre o que "descobrira", Mestre João Farás, piloto da Armada de Pedro Álvares Cabral escreve para D. Manuel I o seguinte: "Quanto, Senhor, ao sítio desta terra, mande Vossa Alteza trazer um mapamundi que tem Pero Vaz Bisagudo, e por aí poderá ver Vossa Alteza o sítio desta terra, porém, aquele mapamundi não certifica esta terra ser habitada, ou não. É mapamundi antigo; e ali falará Vossa Alteza também a Mina"

Como é óbvio, a primeira vez que li este pedaço de texto, corri à bibliioteca a procurar um mapa que se assemelhasse à descrição neste pedaço de texto.

Existe uma ideia geral que esse mapa seria uma cópia  do mapamundi de Andrea Bianco (1448), onde aparece a "ixola otintiche a ponête 1500 mile".                              
Nota: Mapa mundi ANTIGO (com apenas 52 anos)??
O mapa mais conhecido de Andrea Bianco é de 1436, e David Jorge comparou a parte sudoeste desse mapa (aqui invertido):


com um a parte sudoeste de outro mapa, bem mais antigo, atribuído a S. Isidoro de Sevilha:

onde David Jorge leu "insola incognita * ay 13 * 1159 partes mundi", e associou à possível ilha, que está ausente do mapa anterior. Em suma, concluiu:
Tendo como ponto de partida um mapa Português juntamente com o da crónica de S. Isidoro (vale a pena ler no que esteve envolvido) como bases para este mapa, (pois retrata os descobrimentos ao longo da costa Africana e (eventualmente) a Mina), a existência desse texto, juntamente com a carta a D. Manuel I comprova que Portugal tinha de facto um conhecimento das terras na America do Sul anterior a pelo menos 1436.
Acontece que esta suspeita de David Jorge veio a estar confirmada por uma suspeita de H. Y. Oldham constante de um artigo de G.C. Hurlbut em 1895 no Journal of the American Geographical Society of New York, (Vol. 27, No. 4), pp. 396-410.

Coloco aqui o texto relevante para o assunto:
 

Como se poderá ler, esta conjectura de Oldham foi rebatida por um certo "Signor Errera", com os seguintes argumentos "notáveis":
- (i) os portugueses no Séc. XV não tinham nenhum conhecimento de terras no sudoeste;
- (ii) que a ilha misteriosa de Bianco não é encontrada em nenhum dos mapas portugueses;
- (iii) que os historiadores portugueses estão calados sobre o assunto;
- (iv) e que a descoberta acidental do Brasil por Pedro Álvares Cabral, foi uma surpresa para o governo e para a nação!
Esta parte do artigo de Hurlbut termina concluindo que "a opinião deve ser final, mas nenhum homem vive para ver o fim da sua teoria".

Pela parte que me toca, achei interessante o argumento (iii) - o silêncio dos historiadores portugueses, que já era bem notado em 1895, e que em nada mudou nos 120 anos seguintes. Certamente que o silêncio não se deve à falta de dados e argumentos, e também reduzi-lo a uma mera obediência aos mestres das escolas maçónicas, ou por obediência à igreja nacional, veríamos um muito pouco ganho para a troca.


sábado, 6 de janeiro de 2018

do Sótão (7) «A História segundo Schwennhagen (2)»

No início de 2014 coloquei aqui 3 textos sobre "Estória alternativa", e este rascunho no final de 2013, seria o antecessor desses textos, invocando mais a ligação à teoria de Schwennhagen.


_______________ 30/12/2013___________

Havendo um bom nexo histórico, seria obstinação injustificada trilhar um caminho muito diferente. Um nexo que me parece servir de base para enquadrar as diversas componentes aqui abordadas é o de Ludwig Schwennhagen. A grande diferença é que Schwennhagen vai partir de uma "certa" Atlântida, e faz a sua história começar por volta de 2500 a.C. Procurámos ir mais atrás, e preencher espaços em branco.

A ideia que sustemos é que o propalado "Império Atlante" não saiu do nada... foi resultado uma evolução migratória que começou noutras ilhas remotas, a oriente, na Oceania, e marchou como uma invasão imparável, com duas vertentes coordenadas. A vertente oriental que se consolidou na China, e uma vertente ocidental que se consolidou na Índia e depois no Atlântico, dando origem à ligação indo-europeia. A Índia poderá ter servido de charneira na ligação entre estes dois pólos geográficos, que depois se autonomizaram consideravelmente.

Para Schwennhagen, os Atlantes e Tartéssios seriam os sobreviventes do colapso Atlante, e definiriam um império na Ibéria e na Mauritânia, com capital no Guadiana, em Ton Tarsis. Os Tartéssios manteriam a faceta de navegação marítima, e ajudariam os fenícios, enquanto que outros Atlantes, da Mauritânia, procuraram uma conquista territorial do Mediterrâneo, tendo embatido contra os gregos, no registo aprendido por Sólon no Egipto, e contado por Platão.

Procuramos complementar essa "história". 
Na Idade do Gelo ter-se-ia consolidado uma vertente ocidental, europeia, que teria acolhido o ímpeto agressivo dos invasores indo-europeus, incorporando o registo místico dos pintores rupestres. Aceitar um espasmo artístico cavernoso sem outra continuidade parece-nos redutor.
Essa incorporação definiria um poder completamente diferente. À componente secreta do poder sacerdotal dos invasores acrescia um misticismo mágico dos invadidos. O ilusionismo poderia adquirir estatuto de pragmatismo no poder. As elites iriam manipular e jogar com a ignorância dos povos.

À distância ficavam os restantes povos mediterrânicos e africanos, de outra ascendência, condicionados por manobras de bastidores. Essa nova elite actuaria sem se revelar, condicionando tribos, fabricando mitos e deuses. Se apareciam montados em cavalos, eram centauros que roubavam mulheres gregas, e disfarçados numa mistura animal-humana podiam aparecer como deuses de vários panteões.

Esses "atlânticos" só entrariam no Mediterrâneo, um lago na Idade do Gelo, pelo estabelecimento em ilhas chave... esse espaço serviria de recreio para essa "elite atlântica", autênticos deuses que presidiriam à construção e destruição de impérios.
Ainda na Idade do Gelo, o poder atlântico consolidar-se-ia pelo estabelecimento próximo, numa Europa Atlântica que ligaria à Mauritânia, mas também pelo estabelecimento distante... em paragens idílicas, em Hespérides, na zona das Caraíbas, e em outras paragens americanas. Essa seria a parte que mais sofreria com o degelo posterior.

É natural que o crescente aumento do nível das águas determinasse uma instabilidade social, e um eventual colapso hierárquico nessa estrutura "atlântica". O império pode ter colapsado pela base, separando a elite atlântica da maioria da população europeia, desagregada da sua antiga estrutura de poder...
Esta hipótese serve para justificar o aparente retrocesso civilizacional da população europeia, que se viu forçada a uma reconstrução social, tendo provavelmente criado os primeiros ensaios tribais republicanos.
A plebe atlante republicana estaria sujeita ao ataque das estruturas civilizacionais mediterrânicas, apadrinhadas pelo imperialismo da elite sacerdotal remanescente, mas ausente. 

Esses atlantes plebeus seriam os marinheiros de Tartessos, os Turdulos velhos, os Galos ou Gaios, que definiram uma ligação europeia pelo lado não mediterrânico. Começando no Porto Galo, pela Galiza, Gália, Gales, Galécia ucraniana, até à Galácia turca. Poderiam ser ainda os Venetos da Bretanha e da Ibéria, que se colocariam como Venécios na Etrusca paragem veneziana. Usariam a Turquia como plataforma de resistência e influência, criando aí novas Tarsis, novas Tróias. Como já vimos muitas vezes, os nomes confundem-se, e cada paragem europeia parecia ter na península turca uma réplica avançada. 
O mesmo se passaria na zona fenícia. Conforme diz Schwennhagen, parece dar-se uma ligação entre Tarsis dos Tartéssios e os navegadores fenícios. A ligação vê-se numa Sídon que é Medina-Sidónia na Andaluzia, mas também numa Ur que passa a Tur (ou Tiro), o que nos remete aos Turdulos portugueses.
Se Ur nos sugere Urano, Tur sugere Touro, e o corno de Cronos, que remete a uma cornucópia de Cibele. A presença constante do touro na civilização de Cnossos, sugere mais à importação de animais ibéricos do rio Minus (Minho), do que a espécies autóctones da ilha do rei Minos. 

As ilhas mediterrânicas serão estratégicas no xadrez global.
Quem estava do outro lado? - O poder imperial, sacerdotal, que deteria os velhos segredos, e a ligação à raiz primeva oriental. Esse poder irá actuar pelo lado Sumério, mesopotâmico, nas primeiras monarquias universais, e entrará em confronto interno no Egipto, na Grécia, e depois em Roma.

Os Anedotos, esses homens-bacalhau, chamados hoje mais prosaicamente Annunaki, pouco mais seriam do que manifestações da influência sacerdotal atlântica (ou atlante) na mitologia e tecnologia de civilizações que passaram de tribos nómadas, com os "reis-pastores", para grandes impérios, como o de Sargão... que consta ter chegado à península ibérica, e mais além. 

Hércules contra os Geriões (dito melhor, "Guerriões")
Schwennhagen dá importância ao domínio dos Geriões sobre a Ibéria, que teria quebrado a dinastia atlante. Os Geriões são remetidos à Ilha Eritreia e à capital Carteia... Muito provavelmente, em tempos de maior nível de água, a ilha Eritreia, contígua à península seria o Algarve, e Carteia é nome antigo de Quarteira.

A figura de Gerião, confunde-se com os filhos Geriões, e colide com a de Hércules. Um dos trabalhos seria roubar os Touros de Gerião... mas por outro lado, Hércules Líbico é visto como aniquilador do despotismo de Gerião, sendo depois vítima dos seus três filhos... que foram vistos como um monstro de 3 cabeças.

Todo o contexto do mito, da história, depende do lado em que se coloca o contador. Os Geriões chegaram a ser vistos como libertadores da Ibéria... e nesse caso o invasor seria Hércules. Ora, isso embate contra a fama popular do herói grego (líbio ou egípcio), que emprestava o seu nome a quase todos os monumentos ibéricos, conforme criticava André de Resende.

Quando entramos pelo campo mitológico, ainda que queiramos associar fogo ao fumo, perde-se muito da ordem cronológica. As tentativas medievais e renascentistas chegam a apresentar o relato ano a ano, após o Dilúvio, o que pareceu obviamente um despropósito fantasioso. 
No entanto talvez seja de considerar que a entrada de Hércules marcará uma subida de águas que abriu o Mediterrâneo à navegação.

Mais, podemos especular que, perante o avanço do degelo, a migração de Noé para o Cáucaso tenha sido mais uma organizada navegação lacustre, com o objectivo de estabelecer na Ásia Menor uma reedição das paragens atlânticas que iam ficando submersas pelo avanço dessas águas. Em desespero de causa, talvez os partidários de Noé tenham mesmo pensado em fazer uma enorme arca no topo do monte Ararat, último refúgio, caso tudo o resto falhasse. Quando dizemos isto, apontamos para a reprodução de nomes na península turca, e em particular para a existência de uma Ibéria e Albânia caucasiana... a Cólquida pode representar assim a parte ocidental submergida.
Seria essa nova Cólquida que encerraria o Velo de Ouro, o símbolo do velho poder atlante mergulhado no Dilúvio. Os "deuses do antigo poder" passariam a reunir-se em paragens Olímpicas bem altas, temendo novo colapso diluviano. Restabelecido o poder em torno do Cáucaso, da Turquia, da Grécia, o mar não subiria tanto quanto temido, e as populações abandonadas tenderiam a reorganizar-se autonomamente.
A mesopotâmia ibérica com as suas províncias de Entre-Rios pode ter esboçado uma reorganização independente, ausente que estava o poder em paragens caucasianas... podem ter erguido grandes torres, desafiando o antigo poder, e sofreriam consequências. Aguardaria aos deportados uma nova Mesopotâmia, colocada em lugar mais próximo do Cáucaso, mais facilmente controlável... uma Babilónia onde sempre chorariam Cião. A história seria recontada partindo do oriente, lugar bem central, que só foi chamado oriente relativamente ao ocidente perdido.
O ocidente tem que se erguer de novo, de restos sobreviventes, mas com um considerável atraso. É tempo dos grandes monumentos na Mesopotâmia... pelo lado europeu refaz-se uma cerâmica campaniforme. Entretanto o mar pára de subir, Jasão tem autorização divina para fazer a sua viagem exploratória pela passagem norte, pelos pântanos polacos, que em breve fechariam o Mar Negro à entrada norte.

Os gregos dominariam temporariamente os mares, mas despertaria de novo o lado ocidental pelos galos, celtas e venetos etruscos, é então altura de Tarsis, e da tentativa de colocar na Fenícia um posto marítimo avançado, em Ur, Tur, Tiro. Os galos fenícios disputarão o Mediterrâneo com os gregos. O galo passaria a fénix fenícia, e reergueria nas suas velas as riscas alvi-rubras, equi-fraternas, as vezes necessárias.
O Egipto será palco de maiores disputas internas.
Cai o monoteísmo de Akenaton, centrado num Rá solar, mas a ideia prevalecente será explorada noutra direcção... o Deus de Abraão, que lhe pedira obediência em troca do filho, convoca Moisés para uma Terra Prometida

No entanto, numa sociedade que se habituou a usar o Touro em espectáculo circenses, é natural que estejam presentes na Ibéria muitos vestígios de símbolos para orientação cortesã... uma arte de cavalgar toda a sela, onde nunca a cegueira ou o peso do montador deveriam esmagar o montado.
Os mais diversos selos selavam cumplicidades de matilhas montadas em selas.

No entanto, é claro que o registo bíblico contém muitas descrições que remetem para instrumentalização, manobras e manipulação da realidade no Médio-Oriente, em particular na condução dos objectivos de um povo perante um condutor externo, que aparecia sob forma de divindade. O culto de Akenaton, reduzido a Rá, o deus solar, pode na origem dos outros monoteísmos, em particular, o hebraico, que derivou depois no cristão e islâmico. Também a sociedade grega oscilou nas suas convicções sobre o panteão divino, ficando célebre a condenação de Sócrates. Porém seriam os mistérios herméticos, o legado de Zaratustra, de Buda, de Lao Tzé, de Cristo, que iriam influenciar uma profunda reflexão filosófica que abalaria a, até então estável, instituição sacerdotal rodeada por múltiplas divindades pouco consistentes.

Os gregos enquanto sociedade democrática tiveram um sucesso limitado, e foi a monarquia macedónica, com Alexandre Magno que trouxe o império universal para o Egipto ptolomaico. Da mesma forma, apesar das vitórias republicanas sobre Cartago, a extensão do poder romano só se tornou mais efectiva quando Júlio César assume um cargo imperial, e é com ele que se forma a monarquia universal que substituirá os Ptolomeus.
___________________________________

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Alvo de Maia - volume 8

Com os devidos votos para o ano de 2018, está pronto o oitavo (ou nono) volume, correspondente ao ano de 2017. Às 2666 páginas dos volumes anteriores
juntamos agora mais 244 páginas do volume 8:
Alvo de Maia - Volume 8 (2017)

Como pequeno balanço, e conforme esperado, nada de significativo a apontar desde o final de 2013. 
Portanto, temos assim o período meio conturbado 2010-13, e desde aí, entre 2014-17, tem sido uma pacata colocação de temas, sem nenhuma razão ou objectivo especial. Bom, é claro que ainda ficou muito por dizer, e haverá ainda muito a explorar, mas desde então com calma, com muito mais calma...

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Pilatonismo



No Testamento de João (§18:38), Pilatos deixou Jesus em silêncio, com uma questão "crucial":
- O que é a verdade?

Interessa-me pegar de novo no tema da "verdade", ao reler o texto anterior "Aletheia"... especialmente pela pequena frase que escrevi então:
- "A ilusão tem autor, a verdade é de todos!"

A resposta à pergunta de Pilatos não foi respondida, porque se quisermos fazer uma análise objectiva ao conteúdo filosófico, veremos que os evangelhos não vão além do que seria o conhecimento da época. A pseudo-resposta identificará a "verdade" à própria pessoa divina, Jesus.
Como cada pessoa tem a sua verdade, na Antiguidade o Rei era o ponto de referência na disputa entre as verdades individuais, enquanto último juiz. É assim que Jesus se apresenta, dizendo que o seu reino não era deste mundo, que "nascera para dar testemunho da verdade, e que os que apoiavam a verdade ouviam-no".
Fica-nos o mero argumento de um solipsismo superlativo.

Pilatos porém, responde à questão, na sua decisão. Decide, como verdade, a inocência do réu.
Ali, era Pilatos que detinha a figura de Rei, último juiz, era ele afinal o "dono da verdade".
Assim, contra um cristianismo espiritual que clama por justiça de outro mundo, o "pilatonismo" surge opostamente como a justiça pragmática deste mundo, que Jesus sofrerá no corpo.
Sendo hoje, o réu seria enviado para tratamento psiquiátrico, já que frequentemente o solipsismo é mal confundido com esquizofrenia. Os evangelhos servem muito para assinalar a capacidade humana de persistir no erro, até no ponto em que Jesus opta por entrar em Jerusalém montado num asno (Lucas 19:30), para conformar com as escrituras judaicas acerca do Messias, e assim provocar a ira do sinédrio. Além disso, reportar sete pequenos milagres, afinal insignificantes factos no contexto do Império Romano, para argumentar uma dualidade entre homem e divindade, terá sido uma escolha de relato que desfavoreceu a história do homem.

Normalmente, dados os preconceitos, evitaria escrever o anterior... mas interessa dissociar a verdade de uma entidade, divina ou não. Nem tão pouco interessa saber se algum evangelho tem alguma semelhança com o que se terá passado, se foram todos invenção posterior, ou não. A verdade comum é o terreno que nos une a todos em concórdia, e a maioria das ilusões individuais são o que nos afasta uns dos outros, em discórdia.

A verdade é uma experiência social, mas o problema principal é que a ilusão também pode ser.
A mentira é demasiadas vezes usada com sucesso, para ser negligenciada, ou pensarmos que a apanhamos sempre em contradição... até porque a mentira pode dar-se ao luxo de se arrogar despudoradamente como verdade.
Quando interessa sincronizar um grupo numa mesma mentira, há uma autoria nessa patranha, e os autores procuram apagar o rasto da verdade. Poderá haver a pretensão de que, convencendo todos, a mentira passe a verdade. Sim, isso seria assim, se não existissem regras... leis científicas. O rasto da verdade não está apenas na memória de cada um, muitas vezes falível, condicionada e incerta, mas está também na memória material, física.
Porém, se uma evolução técnica pode trazer mais verdade, também pode trazer mais mentira... tanto mais, quanto os indivíduos confiarem cegamente numa tecnologia que não controlam. Porque, ao invés de confiarem na tecnologia, que não dominam, estão simplesmente a confiar em quem a detém.

A grande diferença é que a verdade é uma experiência social com um árbitro imparcial, ou se quisermos pintar a história, com um árbitro parcial, que optou por não apagar o passado. Se o passado fosse indiferente para o futuro, uma infinidade de passados diferentes teriam-nos feito chegar a este mesmo ponto. Sendo moda considerar múltiplos universos como possíveis, o problema dos universos restantes é justamente não poderem ter futuro por ignorarem o passado.

A verdade é sinónimo de universo, no sentido de ser "uni", único. Como não antevemos o futuro sem possibilidades, deixamos espaço suficiente à incerteza para prosperar, para manter algum interesse num mundo algo caótico, que de outra forma seria enfadonhamente previsível. Mas, para manter algum equilíbrio entre as coisas, quando a balança pende demasiado para um lado, a natureza actua devastadoramente pelo outro. E isso não é uma incerteza, é a certeza da existência perene, doa a quem doer, ou melhor, dou-a a quem lhe doer.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

do Sótão (6) «Aletheia»

Este rascunho estava aparentemente completo e pronto a ser publicado... mas por razões de que não me recordo bem, acabei por publicar a sequência de textos "Pontas da Língua" e "Com chás", e este acabou por ficar esquecido. 

______________20/6/2013____________

Por estranho que pareça, o culto da verdade não parece ter desempenhado um papel demasiado importante nas religiões e mitologias. O que era considerado correcto não estava necessariamente ligado à verdade.


Quando as estruturas se complexificam podemos ter semelhanças quase totais. A nossa percepção é limitada e rapidamente poderá não notar diferença, mas podemos treinar aquilo a que se chama o "sexto sentido". Ou seja, aquilo que nos permite desconfiar que há algo errado no enquadramento global. Não há aparentes falhas locais, mas o conjunto transmite uma ideia errada. Um caso típico foi ilustrado por Escher, numa ilusão óptica de uma escada circular que fecha:
As regras da perspectiva estão correctas, o que podemos ver em cada troço. 
Porém, olhando o conjunto intuímos que está algo errado. Essa intuição leva a analisar... a ilusão implicaria que um caminho de subida não traria nenhuma subida, concluindo-se um ilógico regresso ao ponto de partida.
Quem confiar na visão imediata, pode ignorar o raciocínio lógico, mas é esse que dá a intuição, e não está sujeito às ilusões dos sentidos - neste caso uma ilusão óptica de perspectiva única. Mudando a perspectiva, perceberíamos que se tratava doutro objecto, como nesta escultura de um "triângulo impossível":

O "triângulo impossível" em Perth (Australia).

Aletheia. 
Na mitologia grega, a verdade é representada pela musa Aletheia, sobre a qual temos uma interessante fábula de Esopo.
Prometeu, o titã que deu o fogo aos humanos, decidiu esculpir diversas musas para orientação da sua inteligência. Tinha acabado de esculpir Aletheia, e ao começar a esculpir Dolos, representando o engano, foi chamado por Zeus. Nesse entretanto, Dolos copiou a sua forma de Aletheia... mas não a tempo de completar os pés. Por isso só pela base se consegue distinguir a verdade do engano...
Talvez também ilustrando a base, Heidegger usou este quadro de Van Gogh para ilustrar um conceito de verdade através de Aletheia
Aletheia e as botas de Van Gogh

A verdade bota tudo cá pra fora...
Já falei sobre desvelar que pode ser entendido como diferente de outras verdades, que se limitam a ser um revelar consistente (ou seja, evitando contradição)... As revelações colocam novos véus, e as desvelações visam retirar os véus existentes, que causam dolo. 

Ora, os primeiros véus terão sido as parras que cobriram as intimidades de Adão e Eva... porque a verdade põe tudo a nú, inclusivé as "vergonhas". Parte da moral é um muro, um mural que nos circunda, que serve para justificar a ocultação. A moral cristã admite que o muro caia perante um Deus que-tudo-vê, mas não perante os outros.

Veritas.
No corresponde romano temos também uma divindade menor, Veritas, filha de Saturno, correspondente a Aletheia. 
A verdade é aí Vera, mas também Fera ou Bera, as ambiguidades que trocaram as letras f, v, b, ajudam a ver as opiniões. 
Também o Varão, filho primogénito, passou a ser Barão, quando não mesmo a Farao, no sentido egípcio, o irmão supremo detentor do olho de Hórus, que tudo via, o faraó.
A oposição ao Faraó veio de outro Varão, de Aarão, irmão mais velho de Moisés, e varão tomará também o sentido da "grande vara" de Aarão, guardada na Arca da Aliança.
Curiosamente nos Mandamentos de Moisés apenas é requerido que não se levante falsos testemunhos contra os próximos.
Nota-se que a verdade não terá tido um papel determinante nas religiões.

In vino veritas... não seria apenas a embriaguez que soltaria a língua para a verdade. As parras, sinal do vino, ocultaram o "vi nú", sendo barras do mural, varas da moral.


Com outra dicção...
Não há diversos tipos de verdade. A verdade é um caminho, sempre incompleto, não é nenhum ponto que se vá alcançar, é apenas uma orientação. Só há um teste para seguir esse caminho, é o teste da contradição.
A verdade é o que fica quando se elimina a contradição. 
Com outra dicção cai-se em contradição.

Pensa-se em dois caminhos possíveis, igualmente consistentes, porque se pensa que os registos podem ser ocultados, apagados. E isso é possível, pode durar algum tempo, muito tempo, mas não sempre.

Porque o tronco da verdade cresce naturalmente, qualquer outro é enxertado, colado, faltando-lhe a base, os pés, as raízes profundas.

A ilusão tem autor, a verdade é de todos.

Aliás é essa a grande diferença entre uma "verdade" individual e uma verdade absoluta, colectiva.
O indivíduo, ou um grupo de indivíduos, pode concertar uma "verdade", que precisará sempre de conserto, até que caia por contradição. Pode até acontecer que toda uma comunidade acredite nessa "verdade", mas entram numa ilusão que se afasta do que os une, ou seja, da realidade onde essa não é a Verdade.
Há assim caminhos que precisam de autores, de inventores nomeados, porque a ilusão não se sustenta doutra forma. Ao contrário, a Verdade não é um caminho inventado, é um caminho de descoberta, ou melhor, de achamento... já que só parcialmente consiste num des-cobrir. É essa acha que alimenta o fogo que ilumina o caminho.

Não nascemos sozinhos, precisamos dos outros para crescer, para formar a linguagem.

A linguagem é o que nos permite definir noções que vão para além da simples observação natural.
Há diversas formas de linguagem, algumas das quais são simples expressões faciais, gestos, e o compreender da linguagem só parcialmente se destina ao funcionamento no mundo onde nascemos.
Afinal, podemos nascer num mundo que entendemos com 3 dimensões espaciais, mas por via de uma linguagem, a geometria, percebemos que se trata apenas de um caso particular. Portanto, é suposto que as outras dimensões existam apenas na nossa cabeça, como alucinação colectiva?
O universo tinha 3 dimensões, até que uns bípedes inteligentes nasceram, e mostraram que poderia ter mais dimensões, mas isso só está na nossa cabeça!
Fim da história... fim da história, para todos aqueles que gostam de contar estórias à sua maneira, e se habituaram a uma "verdade" que resulta do papaguear de muitos papagaios.

A imaginação é fértil, e imagino que teve muitas ajudas psicotrópicas... não há apenas o aspecto das dimensões espaciais, há muito que tem sido debatida a questão do tempo, que funciona como dimensão de arrasto. Esse arrasto é que nos obriga ao caminho... caso contrário haveria muitos que se deixariam ficar no conforto de alguma boa recordação... sem perceberem que um mundo feito à medida do próprio, começaria por parecer um paraíso, mas depois seria um inferno. Não é por mimarmos uma criança com tudo o que ela quer, que ela se sentirá mais realizada...

Precisa primeiro de saber o que quer, os quês e porquês associados a si própria.
A noção de felicidade não é individual, é uma partilha comunitária. Pode parecer que pode ser uma partilha apenas de um grupo, mas as exclusões não terminam com a presença dos outros na nossa mente, ficam na consciência, e irão aparecer como medos reflexivos.

A introspecção, a tentativa de caminhar sozinho, apenas levará a um beco formado pelo próprio. Terá todos os aspectos comuns à solitude humana, e todas as diferenças resultantes do confronto com os desejos e medos individuais. Saído dessa introspecção asceta, perceberá que tem que estabelecer um equilíbrio entre o eu e o não-eu... um não está ao serviço do outro, nem podem existir apenas como dois, sob pena de serem o complemento trivial. É necessário admitir uma terceira entidade, desconhecida para ambos, e que constitui o suporte comum. Esse suporte comum não pode ser entendido na separação simples, é entendido na replicação da separação. É este processo trinitário, infinitamente repetido, que estará presente na concepção universal.


Em cada registo inteligente há:

- um eu : que contém a parte "previsível" - justificada pelo raciocínio ciente,
- um não-eu : que contém o conhecimento imprevisível de que o "eu" toma conhecimento,
- um desconhecido evolutivo, que no limite justificaria a junção/separação estática {eu, não-eu}.

A simples separação "eu/não-eu" nunca serviria para o conhecimento da separação. Se esse conhecimento da separação fosse incluído, então corresponderia a um conhecimento do complementar, e à anulação da separação. Pela réplica de mais entidades nas mesmas circunstâncias, a própria separação se revelará como um conhecimento ciente, a adquirir pela partilha de informação entre as entidades... um processo infinito.



___________________________

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

do Sótão (5) «Fernão de Oliveira (3)»

O rascunho seguinte resultou de uma troca de comentários, e à partida pouco mais tem que isso. Assim, o mais natural era deixar ficar... porém há uma coisa que não percebi, e como já se passaram 4 anos, não me lembro por que razão o coloquei como sequência de textos sobre Fernão de Oliveira:
Ora, como prezo estes textos sobre Fernão de Oliveira, deveria haver algo relevante para a sequência continuar... no entanto, apenas escrevi dois parágrafos, coloquei as figuras e deixei ficar! Passado este tempo, não sei o que pretendi dizer, mas não seria nada de extraordinário...

____________ 13/06/2013 _____________
Ao contrário do que poderá parecer, eu prefiro que as versões e teorias existentes façam sentido, e dá-me demasiado trabalho ter que pensar nas alternativas. O problema é que na maioria das vezes não fazem, são completamente arbitrárias... podia ser aquilo como aqueloutro, ou mais uma centena de possibilidades.

Resulta isto ainda a propósito da origem do galaico-português. Ficam sempre coisas por dizer, e uma delas é notar que os galegos ainda falam a mesma língua... e dados os 870 anos de separação política, as reformas de D. Dinis não afastaram o português assim tanto do galego, nem o galego se perdeu no longo domínio castelhano. Portanto, temos também ali um exemplo de tradição de pais para filhos que se prolongou por 40 gerações, porque, enfim, os pais têm aquele costume de ensinar aos filhos a língua que aprenderam, e usam a antiga, não inventam uma nova... 

____________ Comentário 12/06/2013 _____________
Os nomes de deuses lusitanos são engraçados!
Por exemplo, Endovelico pode ser só "endobélico" cuja composição endo+bélico significaria "guerra interna".

Alguns desses nomes parecem vir de interpretações de inscrições. 
Imagine que alguém escrevia numa pedra "Xico é o maior da bola". Passados uns milhares de anos, podia entender "o maior" como "o líder", e "bola" como Terra. O tal investigador concluíria da inscrição "Xico era o líder da Terra".
Estou a beneficiar as coisas, parece pior que isto! 
Conclui-se muito mais com muito menos.

Na prática, os textos que têm alguma credibilidade são os que estão em grego e latim, o resto é muitas vezes pura adivinhação. O caso das poucas coisas escritas, atribuídas a uma língua lusitana, é elucidativo e engraçado.
Dou-lhe um exemplo, a inscrição
"ISACCID·RVETI·PVPPID·CARLAE·ENTOM·INDI·NA.[...·OM·"
mas pode também ser lida:
"ISAC CID, E VETI, CUPPID, CARLA E, ENTOM, INDI NAOM"
... o que com pronúncia do povão dá literalmente:
"Isac Cid, eu vi-te, Cupido. Carla é. Então, ainda não?"


Ou seja, pode ser perfeitamente um registo de um pastor face aos amores do outro...  Aliás, a pedra em causa é tosca, só serviria mesmo para uma mensagem.
Por isso, o seu "Cariocecus" pode perfeitamente vir de uma inscrição ao estilo "Cá rio seco", não sei!
Faz-se isto facilmente com as inscrições. Mas, há interpretações mirabolantes, eruditas, mas muitíssimo mais fantasiosas do que basear literalmente no que resta da nossa fonética campesina.
Outra... 
Inscrição em Cabeço das Fráguas (imagemlink anterior)

é tido como:

OILAM TREBOPALA - Ovelhas para Trebopala
INDI PORCOM LA3BO - E porcos para Laebo
COMAIAM ICCONA LOIM - Comida para Icone luminoso
INDA OILAM USSEAM - Uma ovelha de um ano,
TRE[BA]RUNE [INDI] TAUROM - para Trebarune e touros
IFADEM REUE... - Ifadem para Reve

À conta desta interpretação foram definidos os "deuses" Trebopala e Trebarune... eh! eh!
Ainda por cima há letras que são claramente adivinhações.

No entanto, repare:
OILAM = Olham (experimente escrever "olham" sem usar a convenção do LH).

PORCOM, LAMBO, COMEIAM, ... indiciam outras coisas, mas não vou tentar traduzir tudo, por pudor. Tem sempre interpretações que levam a fonética nacional... mas isso é politicamente incorrecto.

Note que de acordo com o som latino, sem convenções modernas (apareceram com D. Dinis) as palavras seriam escritas doutra forma. Com o mito de que os lusitanos eram bestas das cavernas, aquelas inscrições vulgares em pedras insignificantes passam por coisas importantes, a deuses, etc... é fino, é erudito! Se olhar para as paredes de Pompeia, estão cheias de insultos, asneiras, e "desenhos explícitos". Depois, há ainda pedras oficiais, mesmo em latim, onde só escreviam abreviaturas. 

Já falei disso aqui: http://alvor-silves.blogspot.pt/2012/12/conan-o-bretao.html

Há uma lenda de St. Ursula e das 11 000 virgens. Ora, há quem diga que isso resultou duma inscrição
XI M V
onde alguém leu o M V como "Mil Virgens", e deveria ter lido "Mártires Virgens"
... ou seja eram só 11.
... um M dá para passar de 11 para 11000.

Assim dá para perceber algumas confusões que têm sido feitas!


_____________________________________

sábado, 9 de dezembro de 2017

Torridamente Tropical

Em textos antigos, gregos e romanos, considerava-se que na Terra existiam "zonas habitáveis"  e "zonas inabitáveis", devido ao clima ser insuportável.

Como partes inabitáveis consideravam-se não apenas as regiões demasiado frias para sobreviver (ou manter culturas de sobrevivência), e essas seriam as regiões acima dos círculos polares (árctico e antárctico), mas também eram inabitáveis as zonas demasiado quentes - entre os dois trópicos - do Trópico de Câncer ao Trópico de Capricórnio, incluindo a zona do Equador.
Zona Tropical era então denominada como Zona Tórrida, e basta ver uma distribuição das temperaturas no globo, para entender a questão:
... entendendo que a temperatura na Terra foi mais alta do que é hoje, tendo entre o Séc. XVI e o Séc. XX, ocorrido uma "pequena idade do gelo". Antes disso, é reconhecido ter existido ao tempo do Império Romano um clima quente, que depois esfriou, mas que esse calor voltou a ocorrer na Idade Média, especialmente entre o Séc. X e XV.

Aquilo que entendemos hoje como Clima Tropical, foi entendido como Clima Tórrido - inabitável.
Ora, se já é penoso passar por temperaturas acima de 40ºC ou 50ºC na região do Saara, podemos pensar que seria considerado impossível, com uma temperatura superior (por exemplo, mais de 60ºC).
Ou seja, poderia haver relatos de embarcações que tentando descer a linha de costa africana, ao chegarem perto do deserto do Saara, eram forçadas a voltar para trás, devido ao calor insuportável.

Essa seria uma barreira natural definida à latitude do Cabo Bojador, e pelo menos até ao Cabo Verde.
Para mentalidades cristãs, com visões infernais, essa descida podia representar uma descida aos infernos com temperaturas escaldantes, insuportáveis para a maioria da população europeia. 
Acrescia a isso a ausência de pontos de recolha de água potável, até passarem o Saara, e chegarem à proximidade do Equador, já próximos do rio Senegal e da Guiné.

Plínio, no Séc. I, no capítulo 68, "Partes habitáveis da Terra", da sua "História Natural" (Livro 2), diz o seguinte acerca dessa zona tórrida:
«O meio da Terra, onde o Sol manteve o curso, torrando e queimando com as suas chamas, está agora seco pelo seu quente brilho
Esta divisão dos Climas da Terra, vinha de Aristóteles, que considerava inabitáveis as zonas frígidas, e a zona tórrida. Conforme colocado no globo seguinte, por Johannes de Sacrobosco (também conhecido como John of Hollywood), só eram tidas como habitáveis as duas zonas temperadas (uma em cada hemisfério). A única linha costeira desenhada é a zona temperada do hemisfério norte (a figura de Sacrobosco está invertida, apresentando o mapa da Eurásia ao contrário)
 
O globo de Sacrobosco (séc. XIII), apresentando as zonas habitáveis e inabitáveis.

Aliás, ao deixar fora de representação qualquer parte não compreendida nessa limitação, o mapa de Sacrobosco assemelha-se às reconstruções feitas dos mapas antigos, que terminavam justamente nas zonas consideradas habitáveis. 
Vemos, por exemplo, os mapas baseados na latitudes de Ptolomeu, terminavam normalmente acima do Trópico de Câncer no lado ocidental, e só na parte do Oceano Índico chegavam a paragens equatoriais.
Reconstrução medieval do mapa da "Geografia" de Ptolomeu, que vemos corresponder 
às regiões consideradas "habitáveis", acima do Trópico de Câncer, e do Equador. 

De resto, no capítulo 67, Plínio dá conta das mesmas viagens de navegação que lemos em António Galvão, por exemplo, as viagens de Himilcar, de Hanão, ou de Eudoxo, que teria circum-navegado a África. Nas notas de tradução (de 1848, remetendo para outra de 1601) é dito o seguinte:
Whatever acquaintance with remote regions of the earth the Phoenicians and Carthaginians might have acquired, was concealed from the rest of mankind with mercantile jealousy; and every thing relative to the course of their navigation was not only a mystery of trade, but a secret of state. Hence the ignorance of geography manifested by Pliny and other writers, long after these celebrated voyagers had effected the circumnavigation of Africa.
Porém, se é natural que os Fenícios e Cartagineses quisessem proteger o segredo do seu comércio exótico, os tradutores parecem esquecer que a ignorância de Plínio também tem que ser explicada em termos dos sucessores... ou seja dos Romanos, porque Plínio escreve 200 anos depois de Cartago ser terraplanada, e só menciona a navegação romana no Mar do Norte, ao tempo do imperador Augusto.
Ou seja, o "segredo de estado" não foi apenas cartaginês, foi mantido como "segredo de estado" pelos romanos, então invocando o Clima Tórrido, e a inabitabilidade dessas regiões. E, é claro, foi continuando como "segredo de estado", durante toda a Idade Média, até que as navegações portuguesas reclamassem o mesmo feito... mas não apenas por navegação costeira, junto ao escaldante deserto do Saara, mas também por navegação em mar alto.

O argumento que há muito foi escrito pelo José Manuel, parece-me o mais convincente:
O Continente Americano não esteve encoberto, foi "contido" para evitar o esvaziamento da Europa, e até que a saída marítima da armada do Islão do Mediterrâneo para o Atlântico fosse controlada pela cristandade, não foi permitida sua colonização.
A sanção de pena de morte, decretada pelo senado de Cartago, a quem não regressasse com as expedições, era ilustrativa do problema. Simplesmente não se pretendia que refractários ou piratas pudessem formar, fora da alçada dos reinos europeus, uma potência que arriscaria a ser melhor, maior e mais eficaz... como o foram depois os Estados Unidos (e talvez antes a Austrália...)

Pensar que o calor extremo do Saara pudesse ser um motivo desencorajador para expedições africanas, ao longo da costa, pois seria um factor adicional, que aqui ainda não tinha mencionado, mas não seria certamente o principal ou crucial, se as zonas tórridas fossem pouco mais quentes que as zonas tropicais que hoje conhecemos.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

do Sótão (4) «Menú australiano»

Do sótão sai agora um texto de 2012, que era suposto ter algum sarcasmo... e que uma simples releitura deixou de parte, como rascunho, até hoje.

Que algumas das nossas designações culinárias têm um contexto histórico, é mais ou menos conhecido... refira-se, por exemplo, o caso do "Cordon Bleu" que remete para o prestígio que tinha o colar azul da "Ordem do Espírito Santo" em França:

No caso da Austrália, envolvendo Cook e Sandwich, isso seria mais que óbvio... e por isso mesmo não mereceria maior atenção do que a já dada anteriormente. Assim, a ideia ficou simplesmente como um rascunho perdido no tempo.

_____________________ 02/04/2012 ____________________

Vamos começar com alguns pratos sob o tópico Austrália...


(1º) Prato inglês: "Cook descobriu a Austrália"
Trata-se de fast-food, mais concretamente um sandwich sem conteúdo interno.
Cozinheiros:
- James Cook, Conde de Sandwich, outros cozinheiros da Inglaterra Imperial e seus seguidores actuais na divulgação da hegemonia anglo-saxónica.
Ingredientes:
- Farinha: "os vencedores vão escrevendo a história"...
- Sal: "se todos os media, livros de divulgação, etc... o dizem, é porque é verdade"
Inspecção: 
- Mesmo oficialmente, é reconhecido terem os holandeses chegado à Austrália e Nova Zelândia antes de James Cook. Ainda que se ignore  Janszoon (1606), pelo menos Tasman (1643) deu nome à Tasmânia e à Nova Zelândia...
- É interessante notar que apesar de tudo, conseguem conviver as duas versões contraditórias... no intuito de dar algum relevo à viagem de James Cook, acaba por lhe ser creditada uma descoberta parcial.
Mapa parcial da Austrália, de Gerritsz, em 1618, 
ou seja, 150 anos antes da viagem de James Cook

Datas e links de inspecção:
- Basta procurar na wikipedia Janszoon (1606) ou Tasman (1643),
- O mapa de Gerritsz (1618) foi analisado aqui:
http://alvor-silves.blogspot.com/2011/07/o-cozinheiro-e-o-sanduiche.html



(2º) Prato inglês: "Cook descobriu pelo menos uma parte da Austrália"
Este prato já é mais elaborado, e tendo muita carne moída, tem sido digerido pela comunidade internacional, com poucos inspectores preocupados em mostrar a falsidade dos ingredientes. 
Cozinheiros:
- James Cook, Conde de Sandwich, outros cozinheiros da Inglaterra Imperial e seus seguidores actuais na divulgação da hegemonia anglo-saxónica, com aceitação cúmplice na academia internacional.
Ingredientes:
- Farinha: "os vencedores vão escrevendo a história"...
- Sal: "se todos os media, livros de divulgação e históricos o dizem, é porque é verdade"
- Carne moída: "documentos, registos, provas físicas, etc... que foram ocultados ou destruídos"

Inspecção: 
- Mesmo oficialmente, é reconhecido terem os holandeses chegado à Austrália e Nova Zelândia antes de James Cook.

Datas e links de inspecção:

__________________ English Menu ________________

Like a food menu, we start here the topic "Historical Menu".
Those who followed the blog will find some of the many topics presented here, with some humor... 

Name of the Dish: short name for the falsification in official history;
Type of Cuisine: we define the degree of sophistication of the dish, which can range from fast food to haute-cuisine;
Cooks: we present the cooks who have implemented the recipe ... James Cook or Sandwich are favorite subjects;
Ingredients: we explain what ingredients were used for the consolidation and consumption... one of the obvious ingredients its blind faith in the institutions that propagate the official version;

Inspector
we present to the consumer of History some evidences of falsification and possible dangers to the health of society.
(i) Surface Inspection
(ii) Documental Inspection
(iii) Bitter mouth (when there are obvious contradictions) or Poisoning (when trying to induce the society into an evil objective).

Inspection dates and links: links to other posts with the material here presented (usually in portuguese).
____________________________________________________

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

España psicopata

Em 1640, no chamado Palácio da Independência, o Conde de Avranches, D. Antão de Almada, reunia os conjurados que no dia 1 de Dezembro terminaram com os 60 anos de jugo madrileno:
Palácio da Independência, no Rossio.

A construção que está ao lado do Teatro D. Maria II, no Rossio, teve essa particularidade notável de resistir incólume à devastação do Terramoto de 1755. Isto, é claro, apesar de estar praticamente no centro dos acontecimentos, ou seja, no centro dos múltiplos incêndios que consumiram quase toda a Baixa, e convém não esquecer... nem sequer foi alagado pelo alegado maremoto! 
Como já mencionámos noutra ocasião, esteve longe de ser casa única, ou caso único.
A construção tinha uma particularidade anti-sísmica importante - era um monumento histórico, era o Palácio da Restauração, que tinha servido as reuniões para a proclamação da Dinastia Bragantina. Isso praticamente tornou-o invulnerável a incêndios, sismos ou inundações maçónicas, em 1755.

Esquecendo, o triste episódio do rei e do marquês psicopata, cujas estátuas ainda ofendem a capital, foram também eles que perderam a primeira guerra com os espanhóis após a restauração (a Guerra Fantástica). Seja como for, basicamente a única coisa positiva que a dinastia bragantina trouxe ao país foi a restauração da independência, fora do jugo madrileno, chegando ao ponto até das tropas portuguesas invadirem Madrid em 1706.

Sorte diferente, tiveram os catalães, que continuam até hoje sem se conseguirem libertar do matrimónio castelhano, apesar de várias tentativas goradas. 
Agora, como se não fosse suficiente a violência doméstica que Madrid exerce sobre Barcelona, o PP da Catalunha apresenta um cartaz elucidativo contra o divórcio da região.
A forma como a Espanha agarra o catalão hesitante pelo pescoço, é elucidativa da alegoria. A inquisição constitucional espanhola não admite o divórcio regional, e os catalães têm que ficar sob jugo castelhano, quer queiram ou não queiram. Ao mesmo tempo que começa a campanha para as eleições regionais, mantêm-se as prisões dos líderes independentistas.

É claro que há um razoável número de residentes na Catalunha que não tem qualquer empatia à independência da região. Não será de estranhar que os líderes regionais do PP e Ciudadanos, ou seja, Xavier Albiol (filho de andaluzes), e Inés Arrimadas (andaluza, residente há 10 anos), queiram ver a Catalunha como parte integrante de Espanha.
Também não nos espantaria que um filho de um espanhol, ou uma espanhola aqui residente há 10 anos, achassem bem que Portugal fizesse parte da Espanha. Tanto pior, quando há cá um razoável número de energúmenos adeptos da ideia, especialmente se vislumbrarem vantagem pessoal.

Entretanto, esta deriva psicopata espanhola, terá um desfecho parcial em 21 de Dezembro, onde só uma convocatória adicional de residentes externos à Catalunha, parece poder alterar o desfecho eleitoral que se avizinha. Um resultado fabricado será a forma mais tentadora de apagar a chama independentista, mas terá um custo tão elevado, que esta Espanha psicopata germinará os ingredientes para se tornar num estado completamente disfuncional, a breve prazo.


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

do Sótão (3) «Abreojos de Ortélio»

Continuamos com outro texto, que ficou como rascunho em 22 de Julho de 2011, ou seja, no dia seguinte à publicação do texto «O cozinheiro e o sanduíche», e portanto só se entende melhor, lendo-o primeiro.
Aliás, «o cozinheiro e o sanduíche» é um dos textos que mais marcou este blog, e por isso na resposta ao único comentário que teve, refiro: 
Por isso este post é pouco sobre a descoberta da Austrália... - é muito mais sobre as Ilhas Abrolhos!
Ora, a observação neste rascunho era muito mais sobre o detalhe. Num mapa de 1570 apareciam no Pacífico ilhas chamadas "Abreojo", numa localização não longe da Austrália, e portanto o nome existia em ilhas "australianas" (e não apenas no Brasil), antes de serem redescobertas por Houtman, 50 anos mais tarde. O texto tinha vários outros apontamentos de detalhe sobre os mapas de Ortélio, mas como já não era esse o assunto que mais me ocupava, acabei por não lhe dar importância.

_____________________ 22/07/2011 ____________________

Na sequência do texto anterior, sobre o arquipélago Houtman Abrolhos, e analisando o mapa Typus Orbis Terrarum de Ortélio (1570) encontramos um arquipélago Abreojos no Pacífico, conforme assinalamos:
não está junto à Australia, porque ela não aparece. Como os restantes mapas da época, assinalam uma Nova Guiné mal definida, um grande continente Austral - que neste caso Ortelius associa a Magalhães, pelo lado ocidental do mapa, e a Marco Polo pelo lado oriental, onde aparece Java Minor.

Merece alguma atenção todo o retrato asiático, especialmente a parte da Ásia setentrional, onde identifica já uma Nova Zemla (não como ilha), e a parte junto ao Cáspio, aqui chamado Bachu.

Após os Urais, há alguns nomes de cidades desconhecidos, como Wiliki, Marmorea, Obea, Calami, Cossin, Naiman, Turfon, Taingim, Mongul, e até Cattigara, entre outras.
Haveria bastante a dizer sobre vários casos, mas resumimos a Naiman - tida como tribo mongol, a Turfon com fonética de turfa, a Taingim que se confunde com Tianjin, enquanto é feita uma distinção entre China, Cathaio e Mongol. Ou seja, Cathaio aparece numa zona a norte da China, ou coreana, onde coloca ainda Cattigara, tida como cidade ao sul. 
O mapa parece impreciso para algumas dúvidas legítimas, mas é razoavelmente correcto a colocar os cursos de água, nomeadamente o Rio Obi - que é bem identificado.
Fica ainda evidente uma extensão apreciável do Mar Cáspio (que se uniria ao Mar Aral), que não estaria longe de Samarcanda, na rota da Seda, e capital do império de Tamerlão. A zona do Turquistão ou Corasan (Khorasan) era o coração das relações entre Oriente e Ocidente, que da China e India passavam à Pérsia. Aqui o Cáspio já está reduzido a uma dimensão mais pequena, mas os cursos de água permitem ver como um aumento do nível do mar permitiria ligar o Cáspio ao mar setentrional. Ainda hoje, o registo de povoações importantes permite prever a extensão desse mar antigo.
Vemos ainda que no Mar Negro a foz do Danúbio está bastante recuada, podendo suspeitar-se que o Bucur na lenda de Bucareste fosse mesmo pescador. Conforme já assinalámos, apesar de Bucareste ter resistido até Constantino, a língua latina prevaleceu... com algumas diferenças - Mare não significa Mar, mas sim "principal". Política draconiana para evitar confusões de toponímia com um mar que se ia reduzindo... 
Relativamente a este mapa, acrescentamos apenas que Ortelius coloca Troia onde Schliemann a vai procurar depois.

Portugal, por Ortélio
Falando em Troia, Ortélio tem um mapa particular de Portugal, que aqui mostramos a parte da província de Antre-Tejo e Guadiana (uma designação mesopotâmica tal como Entre-Douro-e-Minho).
O rio Sado era chamado Rio Palma, ligando assim a uma Palmela (que não está representada), podemos ver que Melides, em vez de lagoa teria uma grande entrada marítima pelo "Lago de pera", onde do outro lado de Sines apareciam várias ilhas do Pessegueiro, e não apenas um ilhéu. Há vários detalhes, mas nota-se também aqui o avanço actual da linha costeira.

Esse avanço costeiro aparece aqui como mais evidente na zona da Estremadura, especialmente na foz do Mondego.
O mapa pode prestar-se a algumas confusões, pois o recúo marítimo parece estar aqui exagerado, talvez por erro no traço. 
Não deixa de ser interessante aparecer uma "Nova Lisboa" junto a Peniche e Atouguia, e uma "Anilu" na zona de Torres Vedras(?).... as interpretações estrangeiras levam a algumas estranhas trocas, e vemos aqui a Ericeira enquanto "Ciriceira".

______________________________________


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

do Sótão (2) «Main Facts (3)»

Continuando a retirar as coisas do sótão, em 28 de Junho de 2011, outro texto sem publicação.
Seria o 3º texto em inglês em que compilava diversos aspectos reunidos em "10 Main Facts"...
Depois, simplesmente desisti dessa ideia.

Entre Maio e Julho de 2011 foram aqui publicados 54 textos, e portanto digamos que não faltou sobre o que escrever, à média de quase um texto por dia... algo bastante extenuante por si só. O problema principal é que os temas surgiam encadeados uns nos outros. Ao procurar algo sobre um assunto, surgiam pistas para outro, ou para vários... e o processo parecia não ter fim!
Ora, se isso dava cada vez mais confiança, não tinha nenhum correspondente prático. Era inútil estar a convencer quem já estava convencido, e a ideia de escrever em inglês, procurando leitores de outras nacionalidades, também simplesmente nunca redundou em nada. 

Que sentido fazia reunir 10, 100 ou 1000 factos significativos para ponderação, se os leitores mantinham essencialmente as ideias com que aqui chegavam? 
Porque, todo o material esteve, ao longo de vários anos, disponível a centenas ou até milhares de leitores, mas nunca saiu daqui... Nem serviu de discussão noutros fóruns, onde o levei, nem mereceu mais do que um ou dois links. Ou se saiu, foi como curiosidade rápida, e os leitores regressaram ao ponto de partida, de onde, com efeito, nunca tinham saído, nem nunca quiseram sair. A minha curta passagem pelo facebook, apenas serviu para reforçar essa convicção, de absoluta inutilidade.

Portanto, se tinha desistido da ideia de outra divulgação, logo no início, fiquei completamente convencido que mesmo esta divulgação aqui não serviria para nada, exceptuando o reconforto pessoal de que não seria por minha responsabilidade que as coisas se mantinham oclusas, sem a devida discussão. Ainda é essa a perspectiva que mantenho! 
Até porque, no final de contas, a reflexão pessoal a que fui motivado, acabou por me mostrar frutos exóticos, que nem pensei existirem, quanto mais serem possíveis de alcançar! De tal forma, que agora caberá à opinião alheia fazer o percurso de onde saí há muito... ou então, manter-se perdida, e querer fazer perder os outros nos múltiplos becos, de onde não sairá. Adiante, segue o texto:

___________________ 28/06/2011 ___________________


--------- PART 3 --------


It has been a while since I planned to write this third part... in fact I should have changed the title from "10 main facts" to "100 main facts" and counting...

To the sixth item in the list I considered the following choices:

6.1) Internal Earth - a hot Mantle that contradicts thermodynamics
--- How does the mantle maintains its temperature of more than 2000ºC for millions of years, like if there was a void contact with the crust?
--- Since when? Well, since millions of years were needed to justify the Evolution Theory.

6.2) Alladin story
Egyptian lamps burned without consumption of any material, as Raphael Bluteau stated in the 18th century? 
How does this relate to the Bagdad battery
And how does this relate to the Swiss city of Lucerne? 
Through the Giant human bones sent to Platter in 1577? 
... or through the Anchors and Ships found in Swiss mines in 1460?
Through the Antikythera mechanism or through the records of steam boats in Barcelona in 1543?
Through our Genie being kept hidden in the Lamp?... which is also called Lucerne!

6.3) Climate changes
This not seem a novelty, but: 
- Was in Roman times, the Artic Circle positioned around 80º and not at 67º? When did it start to freeze, such that the Roman soldiers stop wearing battle skirts?


- With a higher level of the sea, a different landscape that would justify ancient lands, and the voyage of Jason?
Well, in ancient times, almost everyone considered the Caspian to be a Sea not a Lake, with a connection to the Ocean in the North... this was a main natural boundary between Asia and Europe. Did this Sea connection basically disapeared at the time the Huns menaced Rome?
You know, if it was called Sea... that meant to be a Sea, not a lake!

The evidences of an higher Sea Level are everywhere... an example at Thermopylae:
Europe was an island...

_________________________________________________

Neste caso, o texto parecia ainda seguir para um ponto «7. Australia and the Dieppe Maps», mas não concluí nada desse resumo, e o texto manteve-se em rascunho, como o apresento agora.